David Carmo: "O meu pai sempre me ensinou que eu sou jogador e o mister é que manda"

David Carmo: "O meu pai sempre me ensinou que eu sou jogador e o mister é que manda"

David Carmo é o protagonista da edição de agosto da Dragões, publicação do FC Porto que já está disponível no formato digital

O primeiro golo pelo FC Porto foi anulado: "Deu para ouvir as pessoas gritar o meu nome e sentir o apoio da família portista. Custou-me um bocado, vou admitir, mas prefiro marcar golos quando forem a valer. Acho que também me ajudou muito a lidar com aquele nervosismo de jogar em casa num clube como o FC Porto e de os meus primeiros toques na bola darem logo em golo, mesmo que anulado. Senti muito aquela energia de que vim para o sítio certo."

As redes sociais: [Tem conta no Instagram há quatro anos, mas só fez 15 publicações] "Sim, porque dou muito mais valor ao que é real. Não podemos dizer que o Instagram não seja real, porque nós só partilhamos o que queremos, mas não dou muita importância e gosto de manter o meu círculo bem fechado. Gosto de ter as pessoas que amo por perto e é isso que me preocupa. Não gosto de expor a minha vida pessoal, mas volto a dizer que só metemos ali o que queremos. Não dou grande importância a isso."

Dois ou três centrais: "O meu pai sempre me ensinou que eu sou jogador e o mister é que manda. Tem de haver sempre uma voz de comando, o meu papel no clube passa por cumprir ordens e vou estar sempre disposto a cumpri-las. Não acredito que um jogador só por ter determinadas caraterísticas tenha de jogar em função delas. A principal dificuldade que sinto com o mister Sérgio Conceição é a intensidade e a necessidade de estar o jogo todo completamente em alta, digamos assim. Fico feliz, porque saio da minha zona de conforto e estou a evoluir. Não estou naquela zona de conforto de não procurar mais nem puxar mais por mim. Felizmente estou aqui e tenho de ultrapassar essas dificuldades para me tornar num jogador melhor."