Corona chamado ao palco

André Morais

Tópicos

Com Brahimi de castigo, é hora de o mexicano se afirmar pela continuidade. Volta ao onze com o Feirense

Jorge Simão tentou adivinhar a titularidade de Corona, mas Nuno Espírito Santo manteve a equipa que ganhou ao Belenenses e o mexicano continuou no banco. Adivinhação falhada ou engodo bem-sucedido, a verdade é que o treinador do Braga passou pior quando Tecatito entrou e contribuiu para que o FC Porto intensificasse o domínio, criasse mais oportunidades e empatasse o jogo da Pedreira. Uma semana volvida, será hora de Corona ser finalmente titular e tentar recuperar um lugar que já foi seu mais vezes do que agora, mas que, na realidade, nunca teve completamente assegurado. O mexicano jogou de início em 23 dos 37 jogos em que participou, ou seja, 62% das vezes.

Sem Brahimi, a responsabilidade acresce. O argelino tem estado em grande e vai carregando as asas da equipa. Contra o Feirense, cumprirá castigo. Corona até não costuma, nem deve, jogar à esquerda. Mas é ele que tem características mais parecidas às do colega e será, por isso, também ele que terá de carregar a maior parte das despesas ofensivas. Nuno pode deslocar André ou Óliver para a ala esquerda ou, como até é mais provável, avançar com Jota ou Otávio e devolver a equipa a um 4x4x2 mais ofensivo do que aquele que apareceu nos últimos jogos. De uma forma ou outra, Corona estará sobre a direita, pronto para desequilibrar e ajudar a equipa a criar golos, numa missão fundamental para vencer e, quem sabe, até para desempatar o campeonato, se o Benfica perder em Alvalade como é desejo dos dragões. O mexicano está em risco de suspensão (como, aliás, Alex Telles, Felipe, Danilo e Rúben Neves), mas não há direito a poupanças. Nesta fase da época, todos os jogos são fulcrais.

Corona tem sido, esta época, mais decisivo do que na temporada anterior. Apesar de estar a marcar menos, tem oferecido mais golos. Assistências são seis e não são mais porque os colegas nem sempre aproveitam. No campeonato, Tecatito faz 1,3 passes para ocasião a cada 90 minutos, o que significa que já deixou 21 vezes um companheiro na cara do golo... Nos dribles e jogadas individuais, também é ele o que mais faz pela vida no FC Porto, o que não significa que seja o mais bem-sucedido. De qualquer forma, é reconhecido por todos a excelente técnica individual e o arrojo quando parte para cima dos adversários. Sem Brahimi em jogo, poucos ou nenhum outro extremo terão capacidades semelhantes.

No resto do onze, o treinador portista deve manter André Silva ao lado de Soares, como tem sido norma nos jogos em casa. A confirmar-se a entrada também de Otávio ou Jota para a esquerda, um dos médios (Óliver ou André André) terá de sair. Contas para fazer no resto da semana.