Exclusivo Como Casillas é visto em território espanhol: "Ainda é dos melhores"

Como Casillas é visto em território espanhol: "Ainda é dos melhores"
Bruno F. Monteiro

Tópicos

Adeptos pedem regresso à seleção e os entendidos não têm dúvidas de que o portista podia bem ser o número 1 espanhol. O histórico Buyo vê-o a um nível altíssimo e elogia o trabalho "extraordinário" no Dragão.

A Imprensa espanhola faz uma vénia ao rendimento de Casillas, a "aficion" clama pela chamada do guarda-redes do FC Porto à seleção e este recusa-se a fechar a porta do regresso à Roja. Iker continua a ser o número 1 para os espanhóis e já não é só de coração. O momento que vai demonstrando em Portugal e o sub-rendimento de De Gea trazem à tona as saudades de um "portero" que foi fundamental para as conquistas do Mundial de 2010 e os Europeus de 2008 e 2012. O regresso não é consensual, mas a admiração pelo Santo sim. A começar pelo histórico Paco Buyo, que terminou no Real Madrid três anos antes de Casillas se afirmar. "O Iker [Casillas] ainda é um dos melhores guarda-redes da história do futebol espanhol e um dos mais titulados. Continua a ter potencial e capacidade para continuar a defender a baliza de Espanha", defende, em declarações a O JOGO, salientando que "no futebol tudo depende das oportunidades e do momento". E o momento de Casillas é "extraordinário", defende. "O Iker está a fazer uma grande campanha no FC Porto, é um guarda-redes que já está perfeitamente adaptado, depois de um primeiro ano em que, como é natural, não conhecia a liga. Agora, está a fazer um trabalho extraordinário", sublinha. "Está muito bem esta época. O FC Porto é líder, o Casillas está a ter exibições de destaque e estamos a falar de um guarda-redes com qualidade e talento. É impossível alguém contestar isso", continua, ainda que seja suspeito, por ser um madridista como o agora portista. "Tenho muita admiração e carinho pelo Iker, que sempre foi um guarda-redes que apreciei bastante", pontuou, feliz por assistir ao renascimento do guarda-redes. "A última etapa no Real Madrid coincidiu com uma certa quebra de forma e a pressão sobre ele era bastante grande. No Real Madrid exige-se muito e quando as coisas não correm bem, exigem bastante", justifica.