"Chegámos à Luz e colocámos o Benfica no sítio", lembra Marega

"Chegámos à Luz e colocámos o Benfica no sítio", lembra Marega

Jogadores do FC Porto recordam a caminhada para o 29.º título de campeão nacional do emblema azul e branco na série "Campeões como nunca", exibida no Porto Canal e nas várias plataformas de comunicação do clube

3.ª jornada - Benfica-FC Porto, 0-2

Danilo: "O facto de terem chegado muitos jogadores que não tinham muita noção daquilo que é representar o FC Porto, não saber também o que era um clássico Benfica-FC Porto, nesse caso ajudou, mas não ajudou nos outros jogos, porque a realidade é diferente. Até essa adaptação estar concluída, a equipa oscilou um bocado".

Pepe: "Da forma como trabalhámos, torna-se sempre mais fácil, porque é um trabalho sério. A prova disso é que a estreia num clássico do Romário Baró, um jovem que estava no primeiro ano na equipa principal, era o fruto do trabalho coletivo".

Romário Baró: "Era o meu primeiro clássico e ganhei na Luz. Tive mais pressão com o V. Setúbal do que com o Benfica. Quando fui substituído e estava a levar com os adeptos em cima, só queria que o jogo acabasse para lhes mostrar o símbolo do FC Porto para dizer que têm de ter respeito por nós".

Zé Luís: "Estava com adrenalina e com aquele nervosismo positivo. Sentia ansiedade para que o jogo começasse e para desfrutar daquele momento. Foi um jogo fantástico da nossa parte. (...) [Golo marcado] foi por instinto. Vi a bola do meu lado e tinha de improvisar".

Uribe: "Esse jogo na Luz foi importantíssimo porque a equipa demonstrou um golpe de autoridade e a categoria que tem cada um dos jogadores. Mostrou ainda a capacidade que tem a nossa equipa técnica, porque este jogo foi trabalhado durante a semana e com a pressão que tínhamos pelo arranque do campeonato não ter corrido bem. Mas demonstrámos, neste clássico, que o FC Porto estava pronto para grandes feitos".

Marchesín: "Foi muito bonito, a equipa estava focada neste jogo e em dar o melhor, sabendo que tínhamos grandes possibilidades de o ganhar. Acreditávamos muito em nós e no que estávamos a fazer nessa semana. Saiu tudo perfeito como trabalhámos, porque na verdade esse jogo foi muito bem preparado. Todos fizeram um trabalho excelente. Não tive oportunidade de ter contacto coma bola, só nos pontapés de baliza".

Luis Díaz: "O meu primeiro clássico foi espetacular e estava muito feliz por poder jogar o meu primeiro clássico na Europa. Havia a pressão de fazer um bom jogo, fazer as coisas que te pedem e, na verdade, isso cumpriu-se e foi um grande jogo. Fizemos tudo aquilo que a equipa técnica pediu e saímos vitoriosos. Isso foi o mais importante".

Otávio: "Um clássico é sempre importante, mas na Luz ainda mais. Depois de uma derrota na primeira jornada, sabíamos que tínhamos de ganhar. Foi um jogo bonito. Entrámos muito fortes e todo o mundo esteve muito bem. Entrei na segunda parte e fiz a assistência para o Marega. Como conheço bem o Marega, e sei que ele às vezes está 'desligado', mas que do nada acelera, coloquei a bola em profundidade, que é o forte dele, e ele foi feliz na finalização".

Marega: "Para mim, foi o melhor jogo do ano. É verdade que estávamos em Lisboa, num contexto difícil, porque por um lado tínhamos o FC Porto que estava em dificuldades, que tinha perdido com o Gil Vicente, e do outro lado estava uma equipa que toda a gente achava que era a melhor equipa do mundo. Pensavam que nos íamos colocar na defensiva mas, mas a partir desse momento, nós mostrámos que somos o FC Porto. Chegámos lá e colocámos o Benfica no sítio. Fizemos um grande jogo, fomos largamente mais fortes do que eles em todos os domínios e graças a Deus fiz um golo. Antes disso, falhei uma grande oportunidade para marcar, que me fez sentir muito mal, mas depois redimi-me e marquei esse segundo golo. Ganhámos e esse foi um jogo muito importante".

Corona: "Essa revolta que vimos na Luz foi fantástica. A equipa sentiu-se bem, mesmo depois de ter perdido em Barcelos e sentiu-se muito bem na Luz, colocando em prática a tática que tínhamos treinado nessa semana. A partir daí a equipa começou a respirar melhor e começou a fazer o que normalmente é o jogo do FC Porto".

Marcano: "O Benfica chegou a esse jogo com a moral em alta, porque tinha ganho a Supertaça e nós chegámos com uma derrota no primeiro jogo. Por isso era um jogo difícil, e talvez eles fossem os favoritos, porque tinham a mesma equipa da época passada, e nós mudámos muito. Mudámos para aí seis ou sete jogadores da época anterior. Mas esse foi um antes e um depois, porque fizemos um grande jogo. É verdade que ajudou muito ter jogadores que já tinham jogado este tipo de clássicos, como o Pepe, Alex Telles, Danilo e muitos outros. A equipa mudou e melhorou em muitos sentidos depois desse jogo".

Manafá: "Todos pensavam que o rival já ia ganhar o jogo e que estavam quase a encomendar as faixas [de campeões]. Estavam a falar demasiado, mas chegámos lá e demos uma resposta espetacular. Conseguimos um resultado muito bom e uma exibição de topo".