"Sei que ainda posso fazer mais"

Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

André André numa entrevista exclusiva a O JOGO, que não pode perder na edição desta quarta-feira.

Entre a saída do FC Porto, no final da época de juniores, e a chegada ao Vitória de Guimarães, André André teve momentos difíceis de gerir. Só com persistência conseguiu regressar pela porta grande ao FC Porto, onde chegou com o clube vitoriano no coração. Apesar de tudo, está convencido de que, aos 26 anos, ainda pode crescer mais como jogador.

Qual diria que foi o segredo para a carreira que tem tido?

-A vontade, o crer e a exigência. Nunca desisti do que queria; nem mesmo nos momentos menos bons pelos quais passei, como a saída do FC Porto, a passagem pelo Corunha, a fratura da tíbia no regresso ao Varzim, a descida à então II B com o Varzim. A verdade é que nunca encarei isso como um passo atrás. Procurei sempre fazer o meu melhor e, felizmente, posso estar aqui a sorrir. Mas sei que ainda posso fazer mais.

O regresso ao Varzim, depois da passagem pelo Corunha, foi com a ideia de dar um passo atrás para depois dar dois à frente?

-A experiência em Espanha não foi aquilo que pensava que podia ser. E foi isso que me fez pensar voltar a Portugal e ao Varzim, onde, apesar da lesão, consegui mostrar o meu futebol e dar o salto para o Vitória.

Sente que deixou saudades em Guimarães?

-Só posso dizer que Guimarães estará para sempre no meu coração, porque adorei os três anos que estive no Vitória. O resto terão de ser os vimaranenses a dizer.

Onde se imagina a terminar a carreira: no Varzim, no V. Guimarães ou no FC Porto?

-[risos] É melhor não falar nisso. Tenho vários anos para jogar e isso ainda não me passa pela cabeça. No momento, logo verei.

Leia mais na edição impressa e e-paper de O JOGO