Taremi: as bicicletas ensaiadas no Irão e a lei que o afastou 18 meses do futebol

Taremi cumpre a segunda época no FC Porto

 foto Miguel Pereira/Global Imagens

Avançado deixou a sua marca na Liga dos Campeões, na época passada, com o golo ao Chelsea.

A poucos dias de o FC Porto receber o Atlético de Madrid, Taremi foi o jogador escolhido para falar ao programa UEFA Champions League Magazine. O grande golo que marcou na época passada diante do Chelsea, foi naturalmente abordado. Uma obra de arte que não surgiu do acaso.

"Quando estava no Irão e joguei no Persépolis tentei vários pontapés de bicicleta. Alguns bateram no poste, outros falharam o alvo. Disse a mim mesmo que haveria de marcar um num jogo importante. Sempre tentei alcançar algo de que me possa orgulhar no dia em que me retirar do futebol", contou o avançado iraniano.

Aos 29 anos, Taremi joga agora com regularidade na Champions e longe vão os tempos em que a prova era apenas um sonho. "Quando comecei a jogar futebol, com seis anos, via sempre a Liga dos Campeões. Os jogos começavam muito tarde no Irão [mais 3h00 em relação a Portugal continental]. O meu primeiro clube foi na minha cidade [Bushehr]. Tudo o que sei sobre futebol deve-se ao meu pai. Foi aí que tudo começou. Tive de cumprir serviço militar e passei 18 meses longe do futebol. É a lei iraniana. Depois disso, mudei-me para Persépolis e mal podia acreditar. O Persépolis é um clube enorme no Irão, foi inacreditável. Daí, seguiu-se a Europa e todas as coisas boas que me aconteceram desde aí".

Do modesto Shahin Bushehr ao FC Porto, com passagens por Iranjavan, Persépolis, Al-Gharafa e Rio Ave, Taremi tem cumprido objetivos que o deixam realizado. "Estou muito orgulhoso e feliz com o que alcancei na minha carreira, desde a minha infância até agora. Quando era criança não queria ser como nenhum jogador, só queria ser eu mesmo: Mehdi Taremi."