"FC Porto é, de longe, o melhor clube português no panorama do futebol internacional"

.

 foto Pedro Correia/Global Imagens

FC Porto bateu o Milan por 1-0, na terceira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões. Esta quarta-feira, os dragões comentaram o triunfo europeu, através da newsletter Dragões Diário.

No dia seguinte à vitória por 1-0 sobre o Milan, na Liga dos Campeões, o FC Porto comentou o triunfo europeu, salientando que "só faltaram mais golos" para que a noite fosse "perfeita". Noite essa que se junta a muitas outras que fazem do "FC Porto, de longe, o melhor clube português no panorama do futebol internacional", referem os dragões.

"Para ser perfeito, só faltaram mais golos. Mas não faltaram a vitória, nem a qualidade individual e coletiva, nem a atitude à Porto, nem um ambiente magnífico no Estádio Dragão. Uma memorável exibição permitiu ontem ao FC Porto derrotar o Milan por 1-0 e atingir os quatro pontos no grupo B da Liga dos Campeões. Luis Díaz assinou o momento mais alto da noite. O primeiro triunfo do FC Porto em casa sobre o Milan surgiu à quinta tentativa, mas foi o terceiro em três jogos frente a equipas italianas no Dragão desde que Sérgio Conceição está à frente da equipa", assinalam os portistas na newsletter Dragões Diário.

"A partir de hoje o foco passa a estar totalmente direcionado para o campeonato, mas o que se passou ontem - por muito que venha a haver esforços nesse sentido - não pode ser apagado. O FC Porto revelou ter capacidade para ser muitíssimo superior a uma equipa que é vice-campeã e atual segunda classificada de um campeonato mais forte do que o português, que tem um plantel que teoricamente vale cerca do dobro do azul e branco, que nas jornadas anteriores tinha causado muitíssimas dificuldades ao Liverpool e ao Atlético de Madrid e que tem o segundo melhor histórico nesta competição - sete vitórias, duas delas no século XXI. É um conjunto de muitas noites como esta que faz do FC Porto, de longe, o melhor clube português no panorama do futebol internacional", escrevem ainda.