A visão muito particular de Nakajima sobre a Covid-19

A visão muito particular de Nakajima sobre a Covid-19
Andre Morais

Tópicos

ENTREVISTA, PARTE II - Usar máscara, lavar as mãos e até gargarejar são velhas rotinas para Shoya Nakajima

As diferenças culturais entre Portugal e Japão são tremendas, como são as de qualquer país ocidental comparado com o Oriente. Nakajima também as sente e até aponta a alguns hábitos que a Covid-19 trouxe para Portugal e que ele e os conterrâneos, habitualmente, já tinham.

Além das mãos, Nakajima gargareja sempre quando chega a casa. Fica esta visão muito particular de um japonês em Portugal sobre este problema mundial.

É mais fácil para um japonês, até pela sua própria cultura, passar por um momento destes?

- Os japoneses, como todos os povos, estão habituados a enfrentar a Influenza [nome científico e geral para os vários tipos de gripe] e temos os nossos cuidados permanentes. Ainda assim, como japonês, não sinto que seja mais fácil para nós lidar com esta situação. Está a ser complicado para todo o mundo...

NÃO SAIA DE CASA, LEIA O JOGO NO E-PAPER. CUIDE DE SI, CUIDE DE TODOS

O Japão tem sido apontado como um dos bons exemplos no combate à pandemia. Quais os "segredos" e as medidas tomadas no seu país de nascença?

- Os japoneses são muito rigorosos no respeito da quarentena. Além disso, como já referi, têm o hábito de usar sempre a máscara e a rotina de lavar as mãos e gargarejar ao chegar a casa. É a nossa forma de estar na vida e, nesse sentido, observamos por natureza certas regras que hoje são solicitadas pelas organizações de saúde a todos os países do mundo.

Que conselhos daria aos portugueses quanto à forma de combater este vírus?

- O que posso aconselhar é o mesmo que todas as autoridades de saúde. Respeitem essencialmente a quarentena e não saiam de casa. Porque este é, efetivamente, um problema bastante grave, mais até do que muita gente possa imaginar. Nós, jogadores de futebol, estamos habituados a treinar em conjunto e custa muito não o fazer, mas estamos a respeitar muito estas indicações sanitárias.

LER PRIMEIRA PARTE DA ENTREVISTA: