"A nossa casa é o Porto. Mas é o Porto de Portugal, não é o Porto de Sportingal ou de Benfigal"

"A nossa casa é o Porto. Mas é o Porto de Portugal, não é o Porto de Sportingal ou de Benfigal"

Numa extensa entrevista à Revista Dragões, publicada este sábado, Pinto da Costa comentou a ligação do FC Porto à região Norte, lamentou a pouca presença de sócios nas assembleias-gerais e explicou qual é o único cargo político que seria capaz de aceitar.

Ligação do clube à região: "Conheço imensa gente que nasceu em Lisboa, nasceu no Algarve, nasceu em todo o país. O FC Porto não é um clube regional. É evidente que o nosso bastião, a nossa casa, é o Porto. Agora, é o Porto de Portugal. Não é o Porto de Sportingal nem de Benfigal. O que existe é Portugal, onde está o nome do Porto. Era absurdo não pensar que queremos uma expansão em todo o país e em todo o mundo."

Expansão internacional: "Estamos num país em que um ministro vem dizer publicamente que é alérgico ao azul. Quando chegamos a este absurdo, é evidente que temos de unir fileiras e dizer que o Porto está aqui. Mas não está só aqui, está em toda a parte."

Falta presença nas assembleias-gerais: "Gostava que houvesse muito maior participação. Não sou nada alérgico a críticas e acho que a crítica ajuda-nos a melhorar. Entendo sempre que aqueles que falam cá fora deviam era falar nas assembleias-gerais. E acho um bocado frustrante que, por exemplo, quando ganhamos uma Taça dos Campeões Europeus, haja uma assembleia em que é aprovado um voto de louvor e estão lá 50 pessoas. Às vezes pergunto a pessoas: "Por que não vão a assembleias-gerais?". E dizem que não vão porque confiam em mim. E eu digo: "Mas isso não é solução. Se confiam em mim, têm de ir lá dizê-lo, não é dizer-me a mim."

Convites para cargos políticos: "Fui várias vezes, e por vários partidos, convidado para o único cargo político que aceitaria, porque entendo que não é político, que é a presidência da Câmara Municipal do Porto. Só que sempre achei que um cargo desses seria incompatível com a condição de presidente do FC Porto. E quando insistiam comigo, eu explicava que não: "Você sabe a que horas entro no FC Porto? Nove da manhã. Sabe a que horas saio? Às oito da noite. E não estou lá a dormir. Que tempo me sobrava para a Câmara Municipal?" Felizmente, tirando o período negro em que o rio estava poluído, temos tido ótimos presidente da Câmara e cada vez mais me orgulho do Porto atual e, tenho a certeza, do Porto futuro."