Pinto da Costa: "Veio um de dois guarda-redes que o treinador pediu"

Pinto da Costa: "Veio um de dois guarda-redes que o treinador pediu"

Pinto da Costa foi esta sexta-feira homenageado pelas Casas do FC Porto do Minho.

Pinto da Costa foi esta sexta-feira homenageado pelas Casas do FC Porto do Minho, em Esposende. No discurso aos adeptos, o líder azul e branco recordou o apoio de quem se deslocou a Krasnodar, deixou uma mensagem de união e também abordou a chegada do guarda-redes argentino Marchesín.

"Pode ser um dia para que os responsáveis deste país meditem. Todas as casas do FC Porto uniram-se para mostrar ao país como pode ser bonita e profícua a regionalização em Portugal. Todos sabemos que é muito difícil o FC Porto ter sucesso, mas a condição primeira é estarmos unidos e sentirmos orgulho em sermos do FC Porto. Quem liga as televisões e vê alguns debates, teoricamente de desporto ou de futebol, sente, nas palavras de muitos, o ódio pelo FC Porto. Sentem a vontade que o FC Porto não vença. São incapazes de dar o mérito a quem o tempo se for de azul e branco. Mas por isso é que somos maiores; porque somos melhores, porque somos muitos e porque amamos o FC Porto. Ao fim de 37 anos de presidência, sinto orgulho em poder ver coisas novas nestes eventos e vou daqui com vontade redobrada de fazer do FC Porto cada vez maior, afirmou o líder dos dragões.

"Há dois dias deslocámo-nos à Rússia e para um jogo importante, era impossível levar adeptos, porque não havia vistos e era pouco tempo para os arranjar. Mas encontrei lá 40 portistas dos super dragões no estádio, que viajaram de Paris e da Turquia para ver o jogo, pelo que queria agradecer o apoio e o estímulo dos super dragões", vincou.

"Temos de estar sempre unidos, mas nunca deixar de estar vigilantes. Cada vez é mais difícil comandar e possuir uma equipa que nos dê garantias de êxitos e de poder lutar por títulos em qualquer prova como a atual dá. Mas temos de estar preparados e bem atentos à comunicação social. Se lerem atentamente os jornais, a toda a hora e todo o momento aparece uma rasteira. Ainda agora na digressão que fizemos à Rússia, um jornal encarregou-se de por nas suas páginas uma descrição, ainda que hipotética, de como o nosso treinador, que estava castigado, podia contactar com a equipa e com o banco, o que era proibido. E foi um alerta para que a UEFA estivesse atenta, como esteve, aos passos e ao local onde o nosso treinador estava. Mas não tiveram sorte, porque não foi assim que se passou. Estava tudo programado, tudo idealizado e não era necessário estar a avisar a UEFA de que o nosso treinador iria fazer isto ou aquilo. Até já sabiam ao pé de quem estava. Por acaso esteve no mesmo camarote do que eu e não com o treinador-adjunto, como disseram. Isto é um alerta. Temos de estar atentos, porque os nossos sucessos não interessam à comunicação social, atirou Pinto da Costa, falando depois da chegada do guarda-redes Marchesín.

"Num jornal foi-me atribuído um duque, porque o FC Porto não arranjava guarda-redes, mas o meu treinador só quis um de dois, os outros foram vendidos pela Comunicação Social, mas veio um dos dois que ele pediu. A outros, também interessados em guarda-redes, que só arranjam aleijados, nunca lhes foi atribuído um duque", declarou, sem deixar de falar sobre o futuro enquanto líder do FC Porto.

"Quando entrei para a presidência disse que não sabia se ia estar aqui três dias, três semanas ou três anos, mas no dia em que não for capaz de tomar em consciência as decisões que ache melhor para o FC Porto, no dia em que não for capaz de assumir a minha responsabilidade por ter medo seja do que for, vou embora. Mas ainda cá estou. Posso ter tido decisões erradas, de certeza que as tive, mas tomei-as conscientemente, pensando serem as melhores. Nunca tive medo de tomar as decisões que entendi serem importantes ou de enfrentar o poder, seja ele qual for, e posso-vos dizer aqui, nesta regionalização do FC Porto, de que quando isso acontecer, irei logo embora. Mas podem crer que não é por isso que irei tão cedo. Temos de estar vigilantes e olhar sempre em frente, deixarmos os outros com as suas campanhas, mas sem nos desviarmos do que queremos", rematou.