Jackson entre o Portimonense e o passado: "Lá no fundo sempre acreditei"

.

Mais do que prometer golos e bater recordes, Jackson afirma estar preparado física e mentalmente para voltar a competir

Jackson Martínez apresentou-se em Portimão com honras de craque e teve direito aos primeiros minutos de fama, junto dos adeptos. Foi um momento alto, aquele em que o colombiano pisou o relvado, deu uns "toques" com a bola, prestou-se às fotografias da praxe e depois autografou várias camisolas, para gáudio da centena de presentes. Antes, na conversa com os jornalistas, esteve descontraído e abordou todos os temas propostos. "Repetir a história? A minha intenção não é superar marcas, mas sim superar o tempo que estive sem jogar". Com esta frase, simples e sincera, Jackson deixou bem explícito ao que vem.

"Tenho a mesma mentalidade e o mesmo compromisso de entrega, embora as coisas nem sempre corram como tu queres", disse, aludindo ao passado recente, em que esteve mais de ano e meio sem competir. "Da minha parte, estou muito contente com esta oportunidade para voltar a jogar e sinto-me preparado física e mentalmente. Agradeço muito ao Portimonense e espero ser feliz, mas, atenção, não sou eu que vou fazer a diferença, mas sim o grupo às ordens de Folha", prosseguiu Jackson, reconhecendo que o facto de já conhecer o treinador ajudou bastante à opção. "Sou um jogador de futebol pronto a retomar a minha carreira e a meta é chegar aos cem por cento, embora saiba que tenho de ir pouco a pouco, primeiro nos treinos e depois para competir."

Com "ganas" de pisar os relvados, o avançado não traça, porém, uma meta, porque "treinar é diferente de jogar". Quanto aos golos, que fizeram dele um fora-de-série, Jackson afirma que "pensar em golos antes de jogar é errado". Para trás, fica todo um calvário, face à grave lesão no tornozelo esquerdo. "Houve momentos em que não sabia o que se ia passar, mas, lá no fundo, sempre acreditei que ia ter uma oportunidade de voltar ao campo. E lutei muito por isso".