"Jackson Martínez é uma contratação de peso e não um risco"

.

 foto REUTERS

No último dia de mercado, o Portimonense apresentou oito reforços, incluindo Jackson Martínez, o que surpreendeu tudo e todos. Robson Ponte, diretor-geral da SAD, explica a contratação e dá conta das movimentações no mercado.

Qual a razão da aposta em Jackson Martínez, sabendo-se que o colombiano está sem jogar há muito tempo?

-Jackson Martínez é um jogador consagrado, que todo o mundo conhece muito bem, incluindo, naturalmente, os adeptos portugueses. Devido ao nosso bom relacionamento com clubes e pessoas da China, surgiu a possibilidade de trazer o Jackson e acredito que é uma escolha acertada, independentemente de estar parado há algum tempo. É um jogador que vem para ajudar e para somar e que será muito útil.

Não será um risco, face aos problemas físicos com que Jackson se debate?

-Vejo-o como uma contratação de peso e não como um risco. O Jackson vai influenciar o grupo, na medida em que a sua capacidade e experiência serão importantes, mesmo que não esteja, para já, a cem por cento. Acho que vai ser uma mais-valia.

Chegaram muitos reforços, mas todos no fim do mercado. Porquê só agora?

-Nós estávamos atrás de alguns jogadores já há algum tempo, mas tínhamos de escolher a dedo; contratar por contratar não resolvia os nossos problemas. Assim, fomos ao Brasil para solucionar a questão, e demorou um pouco, é verdade, mas creio que acertámos. São elementos de peso, com qualidade e bastante capacidade, que vão tornar muito forte a concorrência no grupo.

Excetuando Jackson, são todos brasileiros. É a opção predileta?

-Não é bem assim. Procurámos também no mercado europeu, tive contactos na Croácia e na Alemanha, com atletas europeus, não é necessariamente uma aposta cega no mercado brasileiro. Sucede que temos um conhecimento vasto do futebol no Brasil, com clubes de bastante dimensão, e deparámos com jovens de enorme talento. Não é por ser brasileiro, mas sim pela qualidade.