Jorge Simão: "Taça da Liga ainda privilegia as equipas do topo da classificação"

Jorge Simão: "Taça da Liga ainda privilegia as equipas do topo da classificação"

Treinador do Paços de Ferreira, durante a antevisão ao jogo com o Braga, abordou o decurso da competição organizada pela LPFP no molde atual

Alvo de debate a cada época, o quadro competitivo da Taça da Liga, alterado em 2021/22, foi avaliado por Jorge Simão numa simbiose de crítica e elogio. O treinador do Paços de Ferreira reconhece que a indefinição quanto aos apurados para a final-four aumentou este ano, mas nota que a prova continua favorável aos mais fortes.

"É uma competição que privilegia a possibilidade de as principais equipas se juntarem na final four, ainda que dado o facto de haver menor número de jogos na fase de grupos, haja a probabilidade maior de haver surpresas. Um jogo que corra mal quase que hipoteca a possibilidade da equipa ser apurada", afirmou o técnico pacense, em conferência de antevisão ao duelo com o Braga, relativo ao grupo B da prova.

"Isto não invalida o que disse [anteriormente]. É uma competição feita para, obviamente pelos jogos em casa e pela divisão de grupos, privilegiar as equipas do topo da classificação", reforçou Jorge Simão, citado pelo site 'ZeroZero'.

Em março de 2021, a Liga Portuguesa de Futebol Profissional, organizadora da Taça da Liga, anunciou que a competição iria ter um novo formato em 2021/22 - simplificando, a fase de grupos passou a ter menos equipas e, inerentemente, menos jogos.

Esta etapa, precedente às eliminatórias de apuramento e antecedente à final-four, passou a ser disputada por 12 equipas - ao contrário das habituais 16 -, distribuídas igualmente por quatro grupos, sendo que há apenas duas rondas em cada um deles.