"Há jogadores que nem sequer sabem os nomes uns dos outros..."

"Há jogadores que nem sequer sabem os nomes uns dos outros..."

Filipe Rocha, treinador do Paços de Ferreira, fez a antevisão do encontro em casa do campeão nacional Benfica, marcado para as 21h30 de sábado.

Análise ao Benfica: "Todas as semanas analisaremos o adversário, notamos que o Benfica utilizou abordagens diferentes em jogos diferentes. Umas vezes pressionou mais alto, noutros permitiu que o adversário saísse a jogar, como foi o caso do jogo com o Milan. Sabemos que vão pressionar alto, temos o objetivo de ultrapassar isso. Vamos ver se somos capazes de contrariar o jogo ofensivo do Benfica e ver se conseguimos colocá-los em situações defensivas. Não queremos ser uma equipa encolhida, sabendo do poderio do Benfica".

Integração dos reforços: "É normal que precisem de algum tempo, temos dois ou três jogadores que chegaram há poucos dias... Há jogadores que nem sequer sabem os nomes uns dos outros, uma coisa é estarem aqui desde o arranque da pré-época. É preciso algum tempo, paciência, pedimos isso aos adeptos. Prometemos apresentar um onze competitivo, ambicioso, que dignifique a camisola, que traga um certo orgulho aos pacenses da equipa que se apresenta dentro do campo. É sempre esse o objetivo em todos os jogos. Não estamos no nosso melhor, mas não somos os únicos. É mesmo assim no início do campeonato. Esperamos estar no nível que pretendemos o mais rapidamente possível. Não há jogos iguais e nós temos que os saber jogar".

Jogo com o Estoril, da Taça da Liga: "O primeiro jogo foi aquele em que jogámos com o travão de mão puxado, estávamos algo receosos, na pré-época raramente se fazem 90 minutos... Já sabemos onde estamos, sabemos que no próximo jogo temos de dar mais, cada vez mais bem preparados, confiantes de que somos capazes de manter ritmos altos, temos de entrar fortes e temos de conseguir manter os níveis de concentração e intensidade, para além do controlo emocional que tem de existir em todos os jogos. Uma equipa forte, tem, forçosamente, de ter um controlo emocional grande. A estreia foi contra o Estoril, estamos preparados".

Golos e controlo de jogo: "Em relação à questão dos golos, é sempre melhor ir marcando, mas não é fácil contra um Benfica a jogar em casa, moralizado, não é fácil fazer muitos golos em casa deles... Tenho tentado incutir isso, mas isto é a I Liga. O controlo do jogo mede-se pelos golos que se marcam. São eles que vão determinar o domínio. O adversário vai deixando de acreditar à medida que os golos vão entrando..."

Preço a pagar na I Liga: "Na I Liga, os possíveis erros que possam acontecer no processo defensivo pagam-se mais caro. As equipas têm atletas mais capazes e eficazes e isso é generalizado. Ofensivamente, também é importante ser eficaz, não vamos ter tantas oportunidades como queremos e nas que tivermos temos de ser eficazes. As equipas são muito bem trabalhadas, o nível de treinos está muito alto, todos os treinadores preparam as suas equipas muito bem e, por vezes, são os detalhes que fazem a diferença".