Bronca: União requer impugnação do campeonato

Bronca: União requer impugnação do campeonato
Carlos Pereira Santos

Tópicos

É uma bomba nas mãos do Conselho de Disciplina que tem de ser célere a resolver o assunto. Classificação pode não ser homologada, Rio Ave pode perder lugar europeu.

O União da Madeira requereu ao Conselho de Disciplina da FPF a impugnação do campeonato da I Liga, por via de uma participação disciplinar em que acusa o Vitória de Setúbal de inscrição e utilização irregular e dolosa de jogadores, soube O JOGO junto de boa fonte. Os madeirenses requerem ainda a reclassificação do campeonato. Se lhe for dada razão, as consequências podem ser várias, desde a permanência do clube madeirense, à descida dos sadinos e à perda do lugar europeu do Rio Ave em favor do Paços de Ferreira. É mais um caso a abalar o futebol português, dois dias antes de uma assembleia geral em que se vai discutir o alargamento por via da integração do Gil Vicente, se for aprovada pelos clubes.

Qualquer associado da Liga tem 30 dias para protestar um jogo. Faz amanhã... 30 dias que Vitória de Setúbal e Paços de Ferreira empataram a zero na última jornada do campeonato. Nesse jogo, os sadinos utilizaram Meyong e Makuszewski, jogadores contratados e inscritos em janeiro. Ora, o União alega e demonstra com documentos e suportando-se no Regulamento Disciplinar da Liga que os sadinos não podiam inscrever jogadores na janela de janeiro, nem tão pouco registar contratos. Em causa está o "caso Hassan", já amplamente noticiado, mas nunca devidamente esclarecido pelo CD da FPF. O V. Setúbal foi condenado a pagar 28 674 euros de indemnização como compensação pela formação e valorização do atleta ao Almancil, que pediu a constituição de uma comissão de arbitragem da FPF em Julho de 2015. Em outubro, a comissão deu oito dias ao V. Setúbal para fundamentar o não pagamento daquele valor, mas não teve resposta o que significou, para o juiz, a aceitação do valor indemnizatório. No dia 18 de novembro foi fixado um prazo de 30 dias para a regularização da dívida, o que não aconteceu. Esta infração implica o impedimento "automático" da inscrição de jogadores. O caso já tinha sido alvo de um processo movido pela Académica, mas o Conselho de Disciplina alegou "falta de fundamentação". O União chegou mesmo a pedir um esclarecimento sobre o assunto, mas nunca obteve resposta por parte do Conselho de Disciplina. Não sossegou e volta agora à carga, pedindo a não homologação do resultado do jogo V. Setúbal-Paços de Ferreira, solicitando ainda a subtração de pontos (vai de um mínimo de 3 até cinco) e requerendo a consequente reclassificação do campeonato e a impugnação do mesmo.

Com esta participação disciplinar cai nas mãos de José Manuel Meirim, presidente do CD da Federação, um imbróglio que não será de fácil resolução. O caso abre portas à não homologação do campeonato. O processo foi classificado como "urgente" e terá mesmo de ser célere a resolução. A homologação do campeonato está aprazada para a próxima quarta-feira.