"50 por cento têm como único objetivo não descer. Não me parece interessante"

"50 por cento têm como único objetivo não descer. Não me parece interessante"
Redação com Lusa

Tópicos

Manuel Cajuda acredita que os quatro primeiros lugares estão praticamente definidos.

Os quatro primeiros lugares da I Liga 2020/21, que arranca na sexta-feira, "estão praticamente definidos", segundo o treinador Manuel Cajuda sem vaticinar, porém, o ordenamento final de FC Porto, Benfica, Braga e Sporting.

Em entrevista à agência Lusa, o experiente técnico, de 69 anos, sublinhou que essa definição "tira competitividade ao campeonato", até porque, a seguir a esses quatro candidatos aos primeiros lugares, restam apenas "três equipas na luta pelo último lugar europeu" e, depois, "50% das equipas têm como único objetivo não descer de divisão".

"Isso não me parece interessante. Quando, 50% dos concorrentes de uma prova, o único objetivo que têm é não descer de divisão, não me parece um campeonato que venha no sentido de evolução e inovação a ser positivo", comentou o treinador natural do Algarve.

Do ponto de vista de Manuel Cajuda, "não parece difícil vaticinar que a luta vá ser a dois [FC Porto e Benfica]" no que diz respeito às contas do título, mas há outra metade do seu pensamento que lhe diz que "vai haver uma aproximação grande do Sporting e do [Sporting de] Braga à luta pelos primeiros quatro lugares".

Sobre as contas do apuramento para as competições europeias, "o Rio Ave e, claramente, o Vitória de Guimarães" vão disputar a última vaga disponível através da classificação da I Liga, enquanto o Famalicão o deixa "algo interrogativo" devido à mudança substancial operada numa "equipa muito boa que muda 15 jogadores".

As grandes alterações ocorridas na maioria dos plantéis da I Liga, em ano de enormes incertezas, devido à pandemia de covid-19, são outro dado que deixa o antigo treinador de Sporting de Braga, Marítimo e Vitória de Guimarães, entre outros, bastante "apreensivo".

"A maior parte das equipas não se reforçaram, renovaram-se. Há equipas que mudaram 14, 15, 16, 17 jogadores. Isto tudo somado com aquilo que são as novas leis da covid-19, a verdade é que se quisermos olhar para o campeonato, de futuro, com clareza, a única coisa que temos de encontrar aqui são uma série de interrogativas", disse o técnico, confessando que a Lusa o "apanhou" precisamente no momento em que analisava estes dados.

Cajuda considerou, pois, "alarmante", o facto de haver "equipas que mudaram mais de 50% do plantel" e ainda "algumas delas mudaram de treinador" também, o que significa que "não vai haver continuidade quer no bom, quer no mau sentido".

"Por exemplo, no Vitória de Guimarães, entraram 16 jogadores novos e equipa técnica. Mas poderia dizer o Boavista, em que entraram 17 jogadores e equipa técnica nova. Não é fácil implementar trabalho bem [feito] em tão curto espaço [de tempo]. Talvez lá para o meio do campeonato, dependendo da pandemia, venhamos a ter, ou não, melhor futebol", criticou.

Questionado sobre se considera que os clubes do futebol, português estão a ser impudentes ao efetuar tão avultados investimentos em ano de enorme incerteza, devido à pandemia de covid-19, o treinador que terminou a última época ao serviço do Leixões, na II Liga, disse que "não e sim".

"A única coisa que posso dizer é que investimentos tão grandes como os que se fizeram, é porque as pessoas têm, provavelmente, segurança naquilo que vai acontecer. Eu não teria tanta. Todo o tecido empresarial deste país tem algumas reservas no futuro. Inclusivamente, os grandes cérebros económicos preveem o agravamento da situação económica em Portugal. O futebol não consegue ver, não sei... Parto do princípio que as pessoas têm bons gestores à frente dos clubes", concluiu.