Moreirense 2019/20: onze caras novas e a mesma ambição

Moreirense 2019/20: onze caras novas e a mesma ambição

Apesar de terem perdido nomes importantes na boa campanha da época passada, como Jhonatan, Chiquinho, Heriberto e Arsénio, os cónegos voltam a apontar a uma época tranquila

O Moreirense vai iniciar a nova época com o objetivo de fazer mais um campeonato tranquilo, longe das aflições, e sem se deixar afetar pela proeza da época passada, na qual terminou na sexta posição. Vítor Campelos é um jovem treinador com algumas provas dadas, mas ainda assim é um estreante na I Liga, o que não retira um grama da confiança que os responsáveis minhotos depositam na sua capacidade.

No plantel 2019/20 destaca-se a permanência de uma base forte da época passada, num total de 13 jogadores, que terá de adaptar-se às diferenças entre a ideia e modelo de jogo que Ivo Vieira preconizava e que Campelos está a mudar. Jhonatan, Chiquinho, Arsénio e Heriberto, por exemplo, são jogadores cujas saídas não serão fáceis de colmatar, pese a qualidade reconhecida pelo scouting dos cónegos aos onze reforços contratados, com destaque para a defesa e para o meio-campo, sectores onde se registaram mais entradas: quatro. Na baliza, há também Pasinato, guarda-redes que promete, e no ataque dois novos avançados, sendo que um deles, Fábio Abreu, tanto poderá atuar na ala como elemento mais adiantado.

O JÓQUER

Filipe Soares é aposta para ganhar

O Moreirense adquiriu a totalidade do passe do médio Filipe Soares (na foto), de 20 anos, detido por igual entre o Benfica e o Estoril, contratação que se traduz no maior investimento feito pelos cónegos num atleta. Os minhotos já estavam seduzidos pelo potencial exibido pelo jovem formado no Benfica e não hesitaram quando a oportunidade de o contratar surgiu, numa perspetiva de retorno desportivo já no decorrer desta época ou da próxima temporada. Filipe Soares, que procede do Estoril, foi o último dos reforços a apresentar-se em Moreira de Cónegos e, por isso, está ainda em fase de integração e adaptação à nova realidade. Tal significa que, apesar das suas qualidades, o centrocampista continua a trabalhar para conquistar o seu lugar ao sol na estrutura de Vítor Campelos.

NÚMERO: 13

Num plantel de 24 jogadores, embora ainda sujeito às vicissitudes do mercado, a permanência de 13 atletas da época anterior significa que são 11 as caras novas e, por conseguinte, que existe uma base para dar continuidade ao trabalho realizado.

GUARDA-REDES
Mateus Pasinato (S. Bento); Pedro Trigueira (Moreirense); Nuno Macedo (Moreirense)
DEFESAS
João Aurélio (Moreirense, LD); Anthony D"Alberto (Moreirense, LD): Halliche (Moreirense, DC); Iago SantoS (Moreirense, DC); Rosic (Nacional, DC) Steven Vitória (Lechia Gdansk, DC) Djavan (Chaves, LE) EAbdu Conté(Sporting, LE).
MÉDIOS
Fábio Pacheco (Moreirense, MD); Sori Mané (Cova da Piedade, MD); Ibrahima (Moreirense, MD); Alex Soares (Omónia, MO); Filipe Soares (Estoril, MO) e Luiz Henrique (Naútico, MO).
AVANÇADOS
Bilel (Moreirense, AD); Luís Machado (Feirense, AD); Lucas Rodrigues (Moreirense, AE); Fábio Abreu (Penafiel, AE); Pedro Nuno (Moreirense, AV); Nenê (Moreirense, AV) e David Texeira (Moreirense, AV)

EQUIPA TÉCNICA
Treinador: Vítor Campelos
Treinador adjunto: Marco Alves
Treinador adjunto: Fernando Ribeiro e Leandro Mendes
Treinador de GR: Fernando Baptista
Observador e analista: João Pedro Magalhães
DAR (Dep Alto Rendimento) Fábio Campos

PRÉ-TEMPORADA
TOP GOLOS

Pedro Nuno e Fábio Abreu, 2
Bilel, Iago Santos, Lucas Rodrigues, Nenê, Luís Machado e Rúben Ramos, 1
MAIS PRESENÇAS NO ONZE TITULAR
Fábio Pacheco, Ibrahima, Pedro Nuno e Nenê, 5;
Mateus Pasinato, João Aurélio, Iago Santos Djavan, Steven Vitória, Bilel, Luís Machado e Fábio Abreu 4.

A OPINIÃO, por Rui Ferreira

Longe vão os tempos de Serafim, Primo, Altino ou João Duarte, grandes jogadores de outros tempos do Moreirense, quando o clube era "pequenino mas valente", como diz o seu singelo hino, ou das "duras" que Jorge Jesus dava aos jogadores no relvado do "Comendador Joaquim de Almeida Freitas", quando os treinos ainda eram abertos e os clubes não capitalizavam o Facebook para adormecer a Imprensa.

Agora já há uma Taça da Liga na sala de troféus do Moreirense, um pouco mais crescido e sempre valente, e um sexto lugar, conseguido na época passada, que constitui o seu recorde no primeiro escalão nacional.

A herança de Vítor Campelos, que substituiu Ivo Vieira no comando técnico, é pesada, mas a forma como o plantel foi reforçado deverá permitir-lhe fazer uma época relativamente descansada. As perdas foram pesadas, como se pode ler no texto ao lado, mas há reforços promissores, caso do guarda-redes Pasinato, que terá a difícil missão de fazer esquecer Jhonatan, o avançado Fábio Abreu, inspirado a marcar na pré-época, e até o "veterano" Steven Vitória, ex-Lechia Gdansk, que já mostrou estar para as curvas. Como diz o hino do clube, "o verde da esperança pertence ao Moreirense".