Ivo Vieira desvaloriza fator psicológico do FC Porto: "Ia entrar muito forte"

 foto Ivan Del Val/Global Imagens

O treinador do Moreirense, Ivo Vieira, comentou a derrota frente ao FC Porto (0-3), no Estádio do Dragão.

Resultado: "Não é o resultado que esperávamos, nem equipa nenhuma vem aqui [Estádio do Dragão] à espera de não somar pontos. Estávamos preparados para as dificuldades, contra uma equipa fortíssima, em sua casa, estádio cheio".

Exibição do Moreirense e análise: "É de enaltecer o comportamento da equipa. Fico mais feliz de perder nestas circunstâncias, a tentar chegar à baliza do adversário, do que não fazer nada por ganhar e acabar por perder na mesma 1-0. Contra o campeão em título sabíamos das dificuldades mas não podíamos descurar em termos de princípios e ideias de jogo. Tivemos momentos com posse, bom envolvimentos, não houve oportunidades de golo flagrantes, mas conseguimos chegar ao último terço. O que fica marcado é o comportamento dos jogadores. Ganhou a melhor equipa em campo e o FC Porto está de parabéns.

Fator psicológico do FC Porto: "Os estados de espírito por vezes são muito diferentes. Quem relata e opina, opina sobre o resultado. Em termos normais temos de perceber que o FC Porto vindo de um resultado negativo ia entrar com muita força, e se não conseguisse é que o fator psicológico tinha sido aproveitado, mas assim não aconteceu e não pudemos ombrear contra a força do FC Porto. Falar depois das coisas acontecerem é fácil, se tivéssemos marcado primeiro íamos intranquilizar o FC Porto. O jogo deve ser abordado pela nossa ideia de jogo. O FC Porto é sempre uma equipa forte, obviamente não vai ganhar sempre. A este nível os jogadores têm estofo suficiente em termos psicológicos".

Quatro pontos após quatro jornadas: "Esperava ter no mínimo mais um ou dois pontos, mas perante o calendário, quatro jogos, dois em casa, dois fora, dois contra candidatos ao título, quatro pontos não é satisfatório mas aceitável. Há adversários nossos que ainda não defrontaram os grandes e têm os mesmos pontos ou menos. Quatro pontos não é mau, mas não fico satisfeito".