Novo presidente do Marítimo fala em "dia histórico" e nem a camisa foi ao acaso

Novo presidente do Marítimo fala em "dia histórico" e nem a camisa foi ao acaso
Redação com Lusa

Tópicos

Rui Fontes derrotou Carlos Pereira nas eleições de sexta-feira.

O presidente eleito do Marítimo, Rui Fontes, afirmou que o "renasceu e está vivo", após a confirmação da sua vitória sobre Carlos Pereira, que ocupou o cargo nos últimos 24 anos.

"O Marítimo renasceu, o Marítimo está vivo. Agora temos uma caminhada muito difícil pela frente, não vai ser nada fácil, mas vamos trabalhar no sentido de melhorar tudo isto que se está a passar neste momento", afirmou Rui Fontes aos jornalistas.

O candidato da lista A venceu as eleições para a presidência do Marítimo com 65% dos votos (17.629), batendo a lista B, liderada pelo presidente dos últimos 24 anos, Carlos Pereira, que conseguiu 35% (9.464).

Sobre a diferença de votos, garantiu que só reflete "como é fácil unir a massa associativa" verde rubra, revelando que "já tinha percebido uma grande unanimidade" em torno da sua candidatura.

Para assinalar o "dia importante e histórico" para o clube, Rui Fontes revelou que a camisa que envergava, listrada de verde e vermelho, foi a mesma que usou no último jogo, aquele "em que disse adeus ao Marítimo", em 1997.

"Achei que hoje seria um dia importante e histórico para o Marítimo e decidi trazê-la vestida para comemorarmos esta grande vitória dos adeptos do Marítimo", frisou.

Segundo o presidente da Assembleia Geral, LuÍs Miguel Sousa, a tomada de posse acontece daqui a 15 dias. Para Rui Fontes, "se tudo estiver regularizado, pode ser já amanhã".

Sobre a derrota do Marítimo diante do Vitória de Guimarães (2-1), o líder da lista A sublinhou que "muita coisa vai mudar", no paradigma e maneira de estar no futebol. "Não me posso pronunciar sobre pessoas que não conheço. Depois de falar com as pessoas vamos analisar a situação", respondeu ao ser questionado sobre a continuidade do treinador Júlio Velázquez após a quinta derrota na temporada.

Carlos Pereira, líder da lista B, conseguiu 35% dos votos da massa associativa, que não foram suficientes para vencer o ato eleitoral e manter a posição que ocupou ao longo de 24 anos, tendo sido eleito em 1997. "A vida é feita de vitórias e feita de derrotas. Hoje, aconteceu a derrota dele. Agora o que ele tem a fazer é continuar a ajudar o Marítimo como ele fez durante estes 24 anos", finalizou o 36.º presidente da história dos insulares.

Carlos Pereira não marcou presença no Estádio dos Barreiros, local onde decorreu o ato eleitoral.