"Há quem diga que quer fazer bem ao Marítimo e só cria instabilidades desnecessárias"

"Há quem diga que quer fazer bem ao Marítimo e só cria instabilidades desnecessárias"

Declarações de Vasco Seabra, treinador do Marítimo, após a derrota por 2-1 no terreno do Santa Clara, na quinta jornada da Liga Bwin. Os madeirenses perderam os cinco jogos neste campeonato.

Duas lesões uma expulsão, penálti falhado... nada sai bem? "Sim, são fatores emocionais. A equipa tem tanta vontade de inverter o ciclo... hoje ficou provado mais uma vez. Se entrassem no nosso balneário iam sentir a energia que temos uns com os outros. É importantes que todos façamos bem ao Marítimo. Às vezes, há quem diga que quer fazer bem ao Marítimo e só cria instabilidades absolutamente desnecessárias. Já há algumas semanas que tem sido assim. Os sócios e adeptos têm de sentir que damos tudo pelo Marítimo. Quem fala muito, por vezes, dá muito pouco e aparece em situações em que não devia."

É a solução ou faz parte do problema? "Continuo a trabalhar muito pelo Marítimo. Se não sentisse a energia que tenho com o grupo, ficaria muito perturbado. Estou em paz comigo, trabalho todos os dias com um afinco muito grande para o Marítimo estar num nível mais alto. Por vezes, não conseguimos perceber que algumas coisas que nos acontecem no presente, vão deixar-nos orgulhosos no futuro. Temos consciência de que construímos um plantel com qualidade. Os adeptos vão lembrar-se disto que estou a dizer. É um plantel mais capaz do que o do ano anterior. Queremos levar o Marítimo para um lugar onde muitos querem estar, mas que nada fazem para levar o Marítimo para esse lugar."

Análise ao jogo: "Fizemos um golo e podíamos ter feito o segundo a dois minutos do intervalo. Penso que o Santa Clara já não teria capacidade de se levantar, se tivéssemos marcado outro. Na segunda parte voltámos a entrar bem no jogo e, num lance em que pouco fazia prever, sofremos o empate. Depois, a expulsão. Ainda não vi, mas para o VAR chamar o árbitro, alguma coisa foi vista de forma diferente... Ficámos penalizados com menos um. Tentámos, acabámos o jogo com 17 remates à baliza.... Somos uma equipa extraordinária, com homens inacreditáveis. Podem apontar tudo o que quiserem. Mas lutar até ao fim e trabalhar, isso não podem apontar."