Carlos Pereira irrita adeptos: "O Marítimo não tem claque. Eu pago e eles têm de pagar"

Carlos Pereira irrita adeptos: "O Marítimo não tem claque. Eu pago e eles têm de pagar"
Carolina Rodrigues

Tópicos

Numa entrevista a um canal televisivo, o presidente do Marítimo manifestou-se contra a concentração de pessoas, que é "um erro crasso", em referência às claques, que não gostaram nada

O debate e a troca de ideias entre o presidente Carlos Pereira e os adeptos maritimistas sobre as claques do clube não é de agora, mas durante esta semana o desentendimento entre as duas partes acentuou-se, depois de o dirigente ter dado uma entrevista ao programa "Futebol Total", do Canal 11, onde proferiu certas declarações e opiniões que não caíram bem e que geraram a revolta no seio da massa adepta madeirense. "O Marítimo não tem claque. As pessoas vão ao espetáculo e, como tal, eu pago e eles têm de pagar. Agora, concentrá-los é um erro crasso e eu não concordo. Gosto muito que o estádio esteja cheio, a apoiar a equipa, mas acho que não é uma mais-valia a concentração das pessoas", afirmou Carlos Pereira. "Não estou a dizer para se proibir; estou a dizer para não se concentrar. Às vezes, a concentração de poder em excesso atrapalha".

Após estas declarações, os adeptos verde-rubros têm contestado e demonstrado a sua indignação nas redes sociais, como aconteceu numa publicação da página de Facebook intitulada "Carlos Pereira Rua, O Marítimo Continua", onde é pedida a demissão do líder maritimista. "O nosso presidente não se pôs de meias-medidas e atacou aqueles que mais vivem e apoiam o nosso clube. É um presidente que nos despreza e que nos usa quando precisa. Este nosso presidente diz publicamente que não quer o apoio genuíno de adeptos verdadeiros. Deve ser um caso único do futebol mundial um presidente que despreza o apoio dos adeptos", pode ler-se na publicação.