"Antijogo? Cada um joga com as armas que tem", responde Nuno Manta

"Antijogo? Cada um joga com as armas que tem", responde Nuno Manta

Nuno Manta, treinador do Marítimo, diz respeitar a opinião do treinador do Paços de Ferreira

Sobre o jogo: "Era importante ganharmos para conseguir dar continuidade ao nosso processo e acreditar no nosso trabalho. Foi um jogo de sacrifício, mas estávamos preparados para isso. Tivemos um controlo emocional muito bom e conseguimos controlar a pressão do Paços. A disponibilidade dos jogadores foi importante para conseguirmos sair com a vitória."

Após a expulsão: "Os jogadores assimilaram bem o processo depois da expulsão. Era importante termos a linha defensiva estável. A equipa correspondeu bem, tivemos uma boa capacidade de superação. Não éramos os piores do mundo, mas não passámos a ser os melhores. Somos o Marítimo e temos de estar sempre preparados para as adversidades."

O que disse Filipe Rocha: "Respeito o comentário do Filipe [Rocha], mas, sobre a arbitragem, não vou falar. Já vamos na quarta jornada e é uma questão de verem os três outros jogos do Marítimo. Sobre o antijogo, cada um joga com as armas que tem e com aquelas que podem garantir pontos no final."