Ricardo Soares: "O Benfica não estava preparado para um Gil Vicente tão forte"

Ricardo Soares: "O Benfica não estava preparado para um Gil Vicente tão forte"

Declarações do treinador Ricardo Soares, após a vitória do Gil Vicente diante do Benfica, por 1-2, no estádio da Luz, a contar para a 26.ª jornada da Liga NOS.

Análise do jogo: "Tivemos uma dinâmica grande. Tentámos colocar o Benfica em uma zona de desconforto, porque seria extremamente difícil jogar os 90 minutos sempre atrás da linha da bola. Na primeira parte fizemos um jogo com grande qualidade, tivemos muita posse de bola, conseguimos criar muito perigo ao Benfica, que ficou um bocado desconfiado no jogo, não estava preparado para um Gil Vicente tão forte. Com naturalidade, chegamos ao golo mesmo contra uma grande equipa que é o Benfica. na segunda parte por mérito do adversário, o Benfica encostou nos laterais, não queríamos de maneira nenhuma, mas a qualidade do Benfica fez com quem nós tivéssemos que subir para trás. Mas demonstramos sempre uma organização e consistência defensiva muito fortes e fomos sempre perigosos para atacar a baliza do Benfica porque nós defendemos para atacar, não para destruir. Acabamos por sofrer um golo numa altura em que o nosso jogador estava com cãibras e o Benfica aproveitou bem como grande equipa que é, mas penso que a vitória foi justa".

Estratégia: "Trabalhamos incessantemente essa primeira fase de construção. Sabíamos que o Benfica tem dois jogadores fortes na pressão, mas se conseguíssemos eliminar a primeira linha de pressão teríamos uma vantagem espacial para desenvolver o nosso jogo mais à frente e obrigar o Benfica a mais desgaste e, principalmente, colocá-los desconfortáveis. Finalmente aconteceu, hoje fomos felizes, mas quero dizer que foi uma vitória muito sofrida e gostaria de dedicar essa vitória aos nossos adeptos e aos nossos jogadores, que foram fantásticos mais uma vez. Têm sido dias difíceis para nós, queríamos rapidamente conseguir a manutenção e vamos sofrer até ao fim".

Contas para permanência: "Respondi a uma pergunta de um jornalista que me dizia que 30 pontos seriam suficientes e eu disse-lhe que nem 34, quanto mais 30. Mas ainda temos muito para trabalhar, nada foi conquistado, mas esses pontos conquistados são importantes para o futuro, porque vão dar confiança para nossos jogadores".