Gil Vicente 2019/20: subida na secretaria obriga a novo plantel

Gil Vicente 2019/20: subida na secretaria obriga a novo plantel

Vítor Oliveira foi a aposta para manter os galos à tona na I Liga

Novidade, estreia ou expectativa. Estas serão, não haverá muitas dúvidas disso, algumas das palavras que poderão definir o Gil Vicente nesta época. Recém-promovidos de forma administrativa do Campeonato de Portugal para a I Liga, decorrente do caso Mateus, os galos não puderam manter a espinha dorsal da temporada passada quando jogaram a feijões. Por isso, houve que construir uma equipa praticamente nova e em curto espaço de tempo.

Vítor Oliveira apenas ficou com quatro jogadores que transitaram da equipa orientada por Nandinho. Além do guarda-redes Wellington, que teve uma boa exibição no primeiro jogo oficial, a contar para a Taça da Liga, quando defendeu um penálti, o técnico conta também com Edwin Vente, Ahmed e Juan Villa. O resto é tudo gente nova e a maior parte dos jogadores nunca tinham sequer ouvido falar uns dos outros.

As dificuldades em construir um plantel, e depois uma equipa, sentiram-se logo nos amigáveis. Em sete encontros, o Gil só venceu duas vezes. Empatou três e perdeu duas. Com a chegada de jogadores a conta-gotas, mesmo assim, foi dando para ver quem se ia destacando.

O JÓQUER

Rúben Fernandes: na defesa mora o mais experiente da companhia

O central Rúben Fernandes, 33 anos, é o jogador mais experiente do renovado plantel do Gil Vicente. Foi, de resto, o primeiro reforço a ser apresentado e chega do Portimonense, onde militou nas duas últimas épocas. O defesa assinou por uma temporada.

Rúben Fernandes assumiu a braçadeira de capitão não só por ser o mais velho, mas também porque é praticamente o único atleta no balneário de Vítor Oliveira com conhecimento da I Liga. Antes do Portimonense, o defesa-central, que fez a formação naquele clube, tinha já passado pelo Saint-Truiden (Bélgica) e pelo Estoril.

Embora prefira assumir a posição no eixo, Rúben Fernandes pode também alinhar um pouco mais à esquerda. Dos sete amigáveis que o Gil Vicente fez na pré-época, o capitão só não foi titular diante do Espinho.

NÚMERO: 19

Num leque de 24 jogadores, para já, o facto de 19 serem reforços ilustra a tremenda dificuldade que Vítor Oliveira tem tido para construir uma equipa. Apenas quatro atletas transitaram da época passada e um outro ascendeu dos juniores.

PLANTEL

GUARDA-REDES
Bruno (Náutico); Welligton (Gil Vicente): Brian Araújo (Gil Vicente); Denis (Figueirense)

DEFESAS
Nogueira (Clube Regatas Brasil); Alex Pinto (Benfica); Arthur (Ferroviária); Edwin Vente (Gil Vicente); Rodrigo (Ferroviária); Kellyton (Uberaba); Rúben Fernandes (Portimonense); Henrique Gomes (Covilhã).

MÉDIOS
Claude (Troyes); Soares (Arouca); João Afonso (Goiás); Juan Villa (Gil Vicente); Márcio Meira (Armacenenses); Kraev (Midtjyland); Leonardo (Espinho); Ahmed (Gil Vicente); Mladenovic (Rad Belgrado)-

AVANÇADOS
Lourency (Chapecoense); Samuel Lino (São Bernardo); Zakaria Naidji (Paradou); Erick (Vitória), Sandro Lima (Estoril); Romário Baldé (Académica).

EQUIPA TÉCNICA

Treinador: Vítor Oliveira
Treinador-adjunto: Mário Nunes
Treinador de GR: Tó Ferreira
Observador: Rafael Vieira
Diretor-geral: Dito

PRÉ-TEMPORADA

TOP GOLOS

Juan Villa, 3
Samuel, Erick, 2

MAIS PRESENÇAS NO ONZE TITILAR

Bruno, Rúben Fernandes, Rodrigo, Soares, João Afonso, Lourency, Sandro Lima, 6
Alex Pinto e Arthur, 5

OPINIÃO, por Carlos Pereira Santos

A surpresa foi enorme, foi tão grande como a excelência da surpresa. Vítor Oliveira no comando do Gil Vicente, depois de ter alcançado obviamente mais uma subida (com o Paços de Ferreira), deixou muita gente admirada, principalmente porque o Vítor é um treinador que gosta muito de levar a alegria aos adeptos das equipas que treina. Pois, nesta época, à partida, Vítor Oliveira não vai subir nenhuma equipa. As muitas da II Liga que o tentaram levaram nega, mas pelo menos respiram de alívio porque o Vítor não vai lá estar, abre-se uma vaga para a subida, já não é a equipa do Vítor e mais uma... É grande o desafio deste treinador matosinhense, um senhor do futebol português.

O Gil Vicente, clube que vai dirigir pela terceira vez na sua carreira, foi montado de "raiz" e há uma enorme expectativa à volta do que será esta equipa (já fez estragos, ao atirar o Aves fora da Taça da Liga). Uma equipa nova, com muito sotaque brasileiro, que irá crescer com o andar do campeonato. Há uma certeza, será sempre uma equipa combativa, a procurar jogar bom futebol, generosa no combate pelas vitórias. Não é preciso ser bruxo para saber que será assim, basta conhecer um bocadinho Vítor Oliveira.