Gil Vicente-FC Porto: Liga aprovou relvado concluído na quarta-feira

Gil Vicente-FC Porto: Liga aprovou relvado concluído na quarta-feira

O Estádio Cidade de Barcelos entrou em obras tardiamente, mas a Liga garante que o recinto tem sido vistoriado e que o tapete verde estará em condições para receber no sábado o FC Porto.

O Gil Vicente volta a competir na I Liga no sábado e terá o FC Porto como padrinho. Os gilistas abrem as portas do Estádio Cidade de Barcelos para a primeira jornada e as expectativas vão muito além do desempenho dos recém-promovidos do Campeonato de Portugal.

Além do que a equipa de Vítor Oliveira pode fazer dentro de campo, os olhares mais atentos estarão também postos no próprio relvado. O novo tapete verde começou a ser colocado na terça-feira e concluído no dia seguinte, a sensivelmente 72 horas da partida de amanhã.

Contactada por O JOGO, fonte da Liga garantiu que todas as obras no Estádio Cidade de Barcelos foram acompanhadas pela sua Comissão Técnica de Vistorias e que tudo está "enquadrado com os regulamentos". Ou seja, a Liga entende que o relvado "terá condições" para receber o FC Porto, recordando que, "se o jogo está marcado para o Cidade de Barcelos, é porque o estádio cumpre os requisitos necessários". Se o relvado só foi colocado nesta semana, a confirmação de que o jogo ia mesmo acontecer em Barcelos, pelo menos por parte do Gil Vicente, surgiu muito antes. A primeira publicação do clube a dar nota disso tem data de 25 de julho.

Mas que garantias pode dar um relvado colocado a tão pouco tempo de um jogo? O nosso jornal falou com o responsável por uma empresa especializada em relvados que defende que três ou quatro dias é "pouco tempo" para o tapete se fixar ao solo e que com o decorrer da partida é expectável que o piso, a continuar o tempo húmido, fique muito enlameado. "Nas duas primeiras semanas, é aconselhável que o tapete não seja muito pisado, por isso já se pode ter uma ideia do que pode acontecer", atirou.

Uma coisa é certa, o relvado será uma novidade tanto para o FC Porto como para o Gil Vicente, que não teve ocasião para treinar na nova relva.