Jorge Costa e o empate com o V. Guimarães: "Não me agarro muito à sorte e ao azar..."

Jorge Costa e o empate com o V. Guimarães: "Não me agarro muito à sorte e ao azar..."

Treinador do Farense após o empate, 2-2, com o Vitória de Guimarães.

Análise: "Este jogo resume-se muito à ansiedade. Foi notório, a forma como entrámos, ansiosos, sofremos um golo e, curiosamente, uma equipa na situação em que está, entra mal e sofre um golo, a tendência é desorganizar-se e sofrer uma derrota pesada. Nós tivemos capacidade de reagir e dar a volta ao resultado. Depois em superioridade não tivemos a capacidade de gerir o jogo com bola. É certo que tivemos três, quatro, cinco oportunidades claras para fazer o 3-1 e matar o jogo e mais uma vez não fomos eficazes. Tem sido um bocadinho isso. Não me agarro muito à sorte e ao azar, mas mais a competência e eficácia, e mais uma vez fomos ineficazes. Não tivemos tranquilidade de gerir jogo de outra forma."

Trabalho da equipa: "Temos feito o nosso trabalho e bem, não me lembro de termos isso inferiores nos últimos sete, oito, nove jogos aos nossos adversários. Com resultados adversos, que não é fácil. Hoje foi o caso. [Fomos] incompetentes em alguns momentos do jogo, ansiosos. Faltam três jogos, nove pontos e vamos lutar até à exaustão."

Farense não perde há quatro jogos: "É pouco, é curto. Pelo que temos produzido é curto. Não quero que mude esta tendência da qualidade do nosso jogo, mas esperar que eficácia seja superior.

A permanência ainda é possível? "Claro que sim, matematicamente é possível. A qualidade de jogo, da equipa e dos jogadores, a forma como encaramos o treino diariamente e o jogo, dá-me esperanças. Difícil, é evidente, e o resultado de hoje não veio ajudar. Mas temos de valorizar o que temos feito de bom, ser mais eficazes e sim, é possível."