Famalicão 2019/20: um regresso à Liga com treinador-surpresa

Famalicão 2019/20: um regresso à Liga com treinador-surpresa
Cláudia Oliveira/Melo Rosa

Tópicos

Inglaterra, Espanha e Portugal foram os mercados que mais reforços trouxeram para a equipa do Famalicão, que continua a mostrar atenção aos talentos que despontam na sua cantera.

Já passaram 25 anos desde a última vez que o Famalicão passou pela primeira Liga. De 1990 a 1994 foi o máximo de épocas seguidas que o clube esteve no patamar maior do futebol nacional.

Neste regresso, e com uma preparação tecida por Miguel Ribeiro, CEO da SAD, a maior surpresa foi a escolha do treinador. Para além do regresso de João Pedro Sousa ao futebol português, o contrato de duas temporadas com o Famalicão marca a sua estreia como técnico principal, após sete anos como adjunto de Marco Silva. Conhece bem o campeonato nacional e junta-lhe a experiência no futebol grego e inglês. Pode ser a primeira vez a ser voz de comando, mas está longe de ser inexperiente.

A maior dificuldade de João Pedro Sousa é montar um plantel de uma equipa que tem de se ajustar da II para a I Liga. A equipa manteve cinco jogadores da época passada e reforçou-se essencialmente no futebol europeu. Com isto, não descurou a atenção às equipas jovens do clube. Agora é preciso que criem rotinas de jogo para afirmar o treinador e o Famalicão na I Liga. Em ambos os casos, o trabalho indica que não se pretende uma presença fugaz...

O JÓQUER

Nehuén Pérez, o central "golden boy" a aprimorar em Famalicão

De apenas 19 anos, o defesa-central chega a Famalicão cedido pelo Atlético de Madrid e já com os holofotes voltados para si. O argentino esteve no Mundial de sub-20 deste ano, com a braçadeira de capitão, e marcou, inclusive, golos à seleção lusa. O seu talento fez com que fosse chamado à seleção principal do seu país, treinando lado a lado com Messi e outros astros. O dom com a bola também despertou a atenção do Atlético de Madrid, que o contratou (por seis épocas!), em 2018. Nomeado para o Golden Boy - atribuído pelo jornal italiano "Tuttosport" ao melhor atleta jovem, até aos 21 anos - em janeiro passado, Pérez vem para Portugal na perspetiva de ter mais minutos em alta competição e evoluir. João Pedro Sousa percebeu-lhe o potencial e tem apostado no jovem nos jogos de pré-época, algo que se deve manter no campeonato.

PLANTEL

Guarda-redes:

Rafael Defendi (Famalicão)
Vítor Caetano (Famalicão)
Gabriel Souza (Figueirense)

Defesas:

Lionn (Chaves)
Hugo Gomes (Famalicão)
Fodé Konaté (Famalicão - sub-19)
Riccieli (Mirassol)
Nehuén Pérez (Atlético Madrid)
Josh Tymon (Stoke City)
Alex Centelles (Valência)
Patrick William (Vila Nova)

Médios:

Guga Rodrigues (Panetolikos)
Lawrence Ofori (Feirense)
Gustavo Assunção (Atlético Madrid)
João Neto (Famalicão - sub-19)
Cafú Phete (V. Guimarães)
Pedro Gonçalves (Wolverhampton)

Avançados:

Walterson (Famalicão)
Nico Schiappacasse (Parma)
Rúben Lameiras (Plymouth Argyle)
Fábio Martins (Braga)
Diogo Gonçalves (Notthingham Forest)
Toni Martínez (Lugo)
Anderson Oliveira (Famalicão)

Equipa técnica:

Treinador - João Pedro Sousa
Treinador adjunto - Hugo Vicente
Treinador adjunto - Rifa
Treinador adjunto - Manuel Santos
Treinador de GR - Pedro Espinha
Preparador Físico - Carlos Pacheco

OPINIÃO (por Melo Rosa)

Hora de agarrar a oportunidade

Fundado a 21 de agosto de 1931, o Famalicão vai disputar a I Liga pela sétima vez. É com uma assumida ambição que regressa, 25 anos depois, ao escalão principal. A ideia dos responsáveis do clube minhoto é, neste primeiro ano de uma nova vida, solidificar a obra com uma campanha digna de todos os que apaixonadamente vivem o clube. O emblema que nos anos 90 foi brilhantemente conduzido na então I Divisão por um nome grande do futebol brasileiro - Abel Braga - e também, por exemplo, por José Romão e José Piruta orgulha-se de ter uma massa associativa que enche o estádio e que acompanha a equipa para todo o lado. Com Miguel Ribeiro, CEO da SAD, como principal mentor do projeto, o Famalicão reentra no patamar mais alto com o objetivo de recuperar o espaço perdido há mais de duas décadas e de se afirmar como um clube minhoto de topo. A remodelação do Estádio Municipal 22 de Junho, que arranca no início do próximo ano, contribuirá para o crescimento sustentado do clube. Um processo que dependerá do sucesso desportivo. Têm a palavra o estreante João Pedro Sousa e muitos jogadores que pretendem agarrar a oportunidade de brilhar na montra principal.