Arranque de época do Famalicão "deixou a cidade eufórica"

Arranque de época do Famalicão "deixou a cidade eufórica"

Carlos Fonseca, uma das figuras de proa das últimas participações dos minhotos na I Liga, não larga o clube do coração

Foi entre 1990 e 1994 que o Famalicão somou quatro das seis presenças do clube na história da I Liga. Esses anos contaram com o antigo defesa Carlos Fonseca como uma das figuras de proa dos minhotos. O jogador, natural precisamente de Vila Nova de Famalicão, esteve nas derradeiras três épocas dos famalicenses no patamar máximo do futebol português e continua a ser uma presença assídua no estádio. "É o clube da minha terra. Fui ver contra o Covilhã, para a Taça da Liga, e não gostei. Assustei-me...", confessa Carlos Fonseca que, no entanto, destaca as melhorias que se seguiram e que deixaram a cidade em êxtase com a liderança no campeonato, partilhada, neste momento, com o Benfica. "Foi muito bom ganhar ao Santa Clara pois é bem difícil jogar lá. Melhorámos significativamente e também gostei bastante do jogo perante o Rio Ave. Liderança? As pessoas andam um bocado eufóricas...", assume.

Ainda assim, Carlos Fonseca pede "calma" e "pés assentes no chão". "O Famalicão não estava na I Liga há 25 anos e este início não me diz nada. O que interessa é chegar ao fim numa posição que honre e o orgulhe o clube, a cidade e as suas gentes", sublinhou.

Os minhotos ganharam uma nova vida com a entrada do investidor Idan Ofer e com Miguel Ribeiro como CEO da SAD. Carlos Fonseca deixa elogios ao dirigente natural de Joane, freguesia de Famalicão. "Acredito muito no Miguel Ribeiro. É um homem inteligente que mudou o clube e os resultados estão a aparecer", valorizou.