"Foram os piores 30 minutos da minha carreira", admite José Mota

"Foram os piores 30 minutos da minha carreira", admite José Mota

Treinador do Chaves comentou a despromoção ao segundo escalão do futebol português, após derrota frente ao Tondela por 5-2.

Coisas que não se compreendem: "Às vezes o futebol tem estas coisas, às vezes quando achamos que estamos o melhor preparados possível, sentimos que o grupo está focado, responsabilizado, consciente das dificuldades do jogo, nomeadamente da forma de jogar do adversário, quando melhor se prepara é quando acontecem certas coisas que não se conseguem compreender".

Má entrada na partida: "Foram talvez os piores 30 minutos da minha carreira. O adversário acabou por confirmar o que fizemos: uma grande apatia nas bolas paradas, apatia nas segundas bolas, apatia geral em termos de equipa, não pode acontecer".

Equipa bloqueou? "Era um jogo em que margem de erro era mínima e afinal foi máxima. Aquele primeiro golo funcionou dessa forma, não conseguimos ser equipa com capacidade e o avolumar do resultado foi constante e incompreensível".

Responsabilidade e análise: "Assumo a responsabilidade. Não estava à espera. Depois do 4-0 fomos uma equipa competente. Se calhar até fomos melhores, não na finalização, mas conseguimos o 4-1, o 4-2, foi bom em termos anímicos. Na segunda parte estivemos quase sempre por cima, tivemos oportunidades boas para fazer o 4-3 e depois surge o quinto golo, que nos matou completamente".

Elogios ao Tondela e espelho da época: "Parabéns ao Tondela, soube aproveitar o que nós concedemos. [este jogo] Foi o espelho desta época do Chaves, a certa altura parecíamos competentes, determinados, que sabíamos exatamente o que fazer; noutras outras alturas fizemos o que fizemos hoje".

Conclusões: "Há que tirar ilações, o Chaves é um clube muito bom, que respeita os profissionais, está cimentado no futebol português e merecia ficar na I Liga, mas estes momentos que tivemos de desatenção acabaram por ditar a descida. Tem que se começar rapidamente a pensar no futuro. Chaves é de primeira, tem grandes condições, mas há que aprender com os erros, com esta época. O público é excelente, apoiou incondicionalmente em todos os terrenos. Temos de refletir sobre o que fizemos hoje e durante a época para tirar ilações e conclusões que possam ajudar o Chaves no futuro".