Marafona está de saída do Braga: os motivos para o "não" à renovação

Marafona está de saída do Braga: os motivos para o "não" à renovação
Pedro Marques Costa

Tópicos

Guardião rejeitou todas as propostas de renovação apresentadas pela SAD e está apenas a dois meses de terminar contrato.

Marafona vai deixar o Braga no final da temporada. Depois de três anos e meio a representar a equipa minhota, o guarda-redes, que termina contrato a 30 de junho, rejeitou todas as propostas de renovação apresentadas pela SAD e vai prosseguir a carreira noutro clube. Ao que O JOGO apurou, Marafona, de 31 anos, tem em mãos propostas mais vantajosas do ponto de vista financeiro, que os responsáveis do Braga não estão na disposição de acompanhar, até por sentirem que têm dois guarda-redes capazes de oferecer totais garantias para o futuro: Tiago Sá (24 anos) e Matheus (27 anos), ambos com contrato até ao final da época de 2022/23. Curiosamente, esta temporada, o internacional português foi preterido, pela primeira vez nesta época, de uma lista de convocados na deslocação do último sábado a Santa Maria da Feira, num primeiro sinal público de que o divórcio entre o guarda-redes e o Braga já é um ato consumado.

Contratado no início de 2016 ao Paços de Ferreira, pela mão de Paulo Fonseca, Marafona rapidamente conquistou a titularidade no Braga, tendo mesmo sido o grande herói da conquista da Taça de Portugal desse ano, ao defender os remates de Herrera e Maxi Pereira no desempate por grandes penalidades (4-2). Depois disso, foi o titular indiscutível na época seguinte, que terminou da pior forma do ponto de vista pessoal, com uma grave lesão (rotura de ligamentos do joelho esquerdo) sofrida no último jogo do campeonato de 2016/17, em Tondela - demorou a recuperar e não realizou qualquer jogo em 2017/18.

O regresso em pleno aconteceu já nesta temporada, tendo até estado próximo de um empréstimo aos gregos dos Olympiacos, que foi travado pela lesão igualmente grave de Matheus nos últimos dias de agosto. No entanto, e quando se pensava que o internacional português iria retomar a titularidade na baliza arsenalista, Abel Ferreira acabou por se decidir a lançar Tiago Sá no campeonato, tendo deixado Marafona com a responsabilidade de defender a baliza do Braga nos jogos da Taça de Portugal (seis partidas) e Taça da Liga (quatro partidas).

Tendo em conta o atual contexto, Marafona optou por não aceitar as propostas de renovação que lhe foram sendo apresentadas ao longo dos últimos meses, sobretudo por duas razões: a falta de oportunidades de jogar com regularidade e ainda a intenção de, aos 31 anos, assinar um bom contrato do ponto de vista financeiro. A verdade é que as propostas apresentadas pelo Braga nunca agradaram ao guarda-redes, que é representado pelo empresário António Teixeira (também representa Bernardo e Pedro Henrique, ex-Leixões, que estiveram perto do Braga antes de acabarem desviados pelo Benfica), sendo atualmente um jogador livre para assinar por outro clube.