Abel: "Fizemos um transplante, está a funcionar bem e vai funcionar melhor"

Abel: "Fizemos um transplante, está a funcionar bem e vai funcionar melhor"

Treinador do Braga comenta triunfo por 1-0 em Chaves, na quarta jornada do campeonato.

Importância da vitória: "Vale três pontos, essa é que é a grande importância. Primeiro jogo com a baliza a zero, era importante passar essa confiança. Foi um jogo difícil, este Chaves está forte, bem organizado, é uma equipa que sabe o que faz com a bola, no ataque criou-nos imensas dificuldades, sobretudo na segunda parte. O futebol é a eficácia e já nos aconteceu este ano estar a ganhar por 3-0 e não conseguir segurar o resultado, desta vez conseguimos segurar o resultado de 1-0. É verdade que na segunda parte, podíamos ter definido melhor as transições e causar mossa ao nosso adversário. Mas tenho de dizer que o Chaves merecia mais do que aquilo que leva. Fomos melhores na primeira parte e na segunda tivemos de recuar, defender, juntar linhas e assim também se ganha. Estou contente pelos três pontos e pelo empenho na segunda parte."

Testar limites: "Eu digo aos jogadores que temos de saber lidar com as emoções do próprio jogo e o que se passou na segunda, com o Zorya e Santa Clara assola na nossa cabeça. Mas fomos fortes e guerreiros, na segunda parte unimos fileiras e demos uma demonstração de como defender, a nossa equipa tem uma identidade muito forte. Tenho a certeza que com o fecho do mercado, quando esta equipa se soltar - fizemos alterações, sobretudo no miolo, no coração da equipa, fizemos um transplante, está a funcionar bem e vai funcionar melhor."

Preocupação com Dyego Sousa: "Vamos ver...Nós valemos pela nossa força coletiva e não individual. Desejo que não seja nada de grave."

Estreia de Tiago Sá: "O Tiago é um jogador que conhecemos há muito tempo, trabalha. Eu disse na antevisão que os jogadores têm de cumprir determinados requisitos para se candidatar ao onze e depois esperar - uma delas é lutar e saber esperar -, é preciso paciência, resiliência. Estamos a falar de um jogador que faz parte do plantel principal há uns anos, sabe da exigência do clube, é um guerreiro, candidatou-se a um lugar, tem um comportamento incrível, trabalha todos os dias e tem um rendimento absolutamente fantástico e ombreia com os colegas a posição, quer com Marafona e Matheus e Tiago Pereira e diz ao treinador 'quando quiseres eu estou aqui'. Teve de entrar na equipa por infelicidade de um colega, honestamente deu a resposta que eu e todo o grupo de trabalho estava à espera, deu o melhor dele. Agora, o treinador que pense e decida."