"Galeno? Dei-lhe dois berros para o acordar, estava a jogar cheio de estilo"

"Galeno? Dei-lhe dois berros para o acordar, estava a jogar cheio de estilo"
Redação com Lusa

Tópicos

Carlos Carvalhal analisou a vitória por 2-1 sobre o Nacional e deixou uma frase curiosa sobre Galeno.

Análise: "O Nacional ainda não tinha perdido, é uma equipa difícil, que, se apanhar alguém distraído, vai tirar-lhe pontos. Preparámos muito bem o jogo, os nossos jogadores foram inexcedíveis e fizemos a melhor exibição até hoje. Temos vindo a subir de rendimento de jogo para jogo e fizemos 90 minutos muito consistentes. Podíamos ter ido com 3-0 para o intervalo e, na segunda parte, a tónica foi a mesma, a controlar o jogo, a dispor de oportunidades muito boas para matar o jogo. O adversário fez um golo de forma fortuita, mas a forma como a nossa equipa reagiu não entrou em pânico, geriu o jogo com bola até ao fim. Quem olha para o resultado pensa que o Braga sentiu dificuldades, mas não e justificava-se um desnível maior no resultado.

Galeno: "Dei-lhe dois berros para o acordar, estava a jogar cheio de estilo e quando resolveu jogar à Galeno, mudou o jogo."

Capacidade ofensiva: "Criar muitas oportunidades de golo tem sido a nossa tónica e isso é bom, é sinal de que a identidade está bem assimilada. Vejo isto pelo lado positivo. Vamos melhorar e crescer, mas essa linha de crescimento não é linear. As nossas equipas acabam melhor do que começam, estou muito satisfeito com o nível de hoje, foi uma exibição muitíssimo boa."

Regresso do público na quinta-feira, diante o AEK, para a Liga Europa: "A excitação é crescente, o jogo de quinta-feira vai ser diferente, queremos ter adeptos e o Braga tem uma massa adepta muito forte e participativa. Os clubes que têm esse tipo de massas adeptas têm sido penalizados porque os adeptos dão aporte, se calhar, de 20 por cento às equipas."

Braçadeira: "Temos um núcleo de capitães da equipa, com o Fransérgio, Esgaio, Matheus, Ricardo Horta, Rui Fonte e Paulinho, quem usa a braçadeira é uma decisão minha, por vezes tem a ver com um fator mais motivacional, só isso".