Extremo do Braga na mira de espanhóis e franceses

Extremo do Braga na mira de espanhóis e franceses
Tomaz Andrade

Tópicos

António Salvador tenta evitar o desmembramento do tridente ofensivo, responsável por mais de metade dos golos, e se é muito difícil evitar que Paulinho saia, quem quer Horta é remetido para a cláusula

O Braga tem uma dura missão pela frente neste mercado de verão. Depois da saída de Trincão para o Barcelona e do mais do que provável adeus de Paulinho, também Ricardo Horta está a ser muito cobiçado, uma transferência que a SAD quer evitar a todo o custo, de maneira a que a frente de ataque não perca os protagonistas da última temporada.

O problema neste caso é que o extremo está protegido por uma cláusula de rescisão de 30 milhões de euros e tem clubes de Espanha e de França muito interessados, dispostos a aproximarem-se desses valores para tentar uma negociação.

Já se sabia que a boa temporada de Ricardo Horta, com 52 jogos realizados e 24 golos marcados, tinha despertado a atenção de vários clubes europeus, que tentam agora perceber as condições do negócio.

O jogador de 25 anos tem contrato até 2024 e está comprometido com o projeto bracarense, mas já se sabe que uma proposta tentadora poderá pesar na decisão de tentar a segunda experiência no estrangeiro. O Málaga, de Espanha, conserva ainda 20 por cento do passe, situação que faz também com que o Braga remeta os clubes interessados para a cláusula de rescisão. Ou seja, se não for possível segurar o jogador, o clube bracarense tentará o melhor negócio possível, isto depois de o ter contratado em 2017/18 a custo zero, após uma temporada de empréstimo por parte do emblema espanhol.

Nas conversas entre António Salvador e Carlos Carvalhal destinadas a pensar a construção do plantel para a próxima época, o nome do extremo esteve em cima da mesa e é fácil perceber as razões. Trincão, Paulinho e Ricardo Horta foram responsáveis por 58 golos do Braga, mais de metade do rendimento ofensivo da equipa (105 golos apontados no conjunto das competições), pelo que o objetivo é tentar que, pelo menos, uma peça do tridente goleador não saia, sob pena de o treinador ter de reformular toda a zona ofensiva dos minhotos.