"Candidatos ao título? Estamos a tentar ser imunes à euforia desses julgamentos"

"Candidatos ao título? Estamos a tentar ser imunes à euforia desses julgamentos"

Artur Jorge, treinador do Braga, fez a antevisão à receção ao Vizela, marcada para as 20h30 de domingo.

Fim de ciclo contra o Vizela: "Será muito importante fechar com uma vitória um ciclo muito congestionado de jogos, todos muito duros e com um grau de dificuldade grande. Queremos continuar a vencer, sabendo que temos pela frente um adversário complicado e que vai tentar conquistar pontos".

Vizela sem ganhar há cinco jogos: "É mais uma dificuldade. As duas equipas estão em ciclos diferentes. O Vizela vem de três derrotas, uma frente ao Benfica e outra com o FC Porto. Temos tido, no entanto, a capacidade de continuar a ganhar e temos do nosso lado a determinação de manter este registo"

Braga é candidato ao título segundo Álvaro Pacheco: "É um elogio simpático. Percebo-o em função do nosso desempenho. Atendendo ao nosso registo, compreendo que façam considerações desse género. Nós sabemos o que podemos fazer e a margem que temos para crescer. E também temos anos suficientes no futebol para saber que não nos podemos iludir. Temos um longo caminho pela frente e estamos a tentar ser imunes à euforia desses julgamentos. Sabemos bem o caminho que temos que percorrer".

Andamento forte: "Temos tido um registo muito forte em temos ofensivos, com capacidade para somar muitos pontos e uma média muito boa de golos marcados por jogo. No entanto, nada disso vale para o jogo de amanhã. Temos que ser capazes de marcar mais golos do que o adversário para podermos ganhar, temos que conseguir um ponto de equilíbrio entre os golos marcados e os sofridos. Quem quer competir ao mais alto nível, tem de estar preparado para disputar dois, três jogos por semana. Não sei se é uma vantagem, mas compete-nos estar equilibrados a esse nível".

A titularidade de Racic na quinta-feira, frente ao Union Berlin: "O que fizemos em termos de alterações teve mais a ver com uma questão estratégica de atacar o jogo numa primeira fase do jogo. André Horta ou Racic? Têm é de ser úteis à equipa, seja em que jogo for".

A evolução de Vitinha: "Sinto-me parte de todos aqueles que se cruzaram comigo, creio que consigo sempre acrescentar algum valor. Tem características muito especiais. É dos poucos pontas de lança combativos do futebol português, um nove que dá a equipa um grande conforto em termos de combatividade e de finalização. A evolução vai fazer-se ao longo dos próximos anos, é ainda muito jovem e vai amadurecer com os jogos, tornando-se mais útil, mais capaz, com o passar do tempo e as exigências de cada jogo".

Baixa: "Niakaté ainda está fora".