Vítor Murta visa Miguel Cardoso: "Falta de respeito pelo Boavista e pelo futebol"

Vítor Murta visa Miguel Cardoso: "Falta de respeito pelo Boavista e pelo futebol"

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Presidente dos axadrezados comentou gestos do treinador do Rio Ave na ponta final do encontro de sábado entre as duas equipas, que terminou empatado (3-3).

Vítor Murta, presidente do Boavista, criticou os gestos de Miguel Cardoso, treinador do Rio Ave (3-3), no jogo entre as duas equipas no último sábado, quando, logo após o terceiro golo dos vila-condenses, o técnico esticou os dedos médios na direção do banco adversário.

"Não queria falar muito do treinador do Rio Ave, porque estamos a dar importância a alguém que não tem importância, pelo menos no universo do Boavista. Pelo que eu ouvi, pediu desculpa, mas tentou enquadrar aquele gesto em algo que entendeu como justificável. Obviamente que não o é. Foi uma falta de respeito pelo Boavista, pelos boavisteiros e por todos os que viram o jogo na televisão, que estavam no estádio, e falta de respeito pelo futebol. Esse senhor não merece que esteja a perder tempo a falar dele", atirou Vítor Murta à margem da inauguração do remodelado lar da formação do Boavista, denominado "Habitat da Pantera".

Sobre a arbitragem, o líder boavisteiro não se alongou: "O importante é darmos valor aos nossos atletas. Neste jogo com o Rio Ave, as coisas não correram tão bem como pretendíamos em termos de arbitragem. Mas os nossos jogadores deram uma imagem de grande caráter e de grande profissionalismo. O importante é focarmo-nos nisso e deixarmos de falar de arbitragem", acrescentou Murta.

Ainda sobre Miguel Cardoso, importa referir que o Rio Ave reprovou o gesto do seu treinador no Bessa. O próprio técnico pediu desculpa pelo ocorrido já em conferência de imprensa pós-jogo. "Muitas coisas aconteceram ao longo do jogo. Não somos máquinas, somos homens com emoções, mas que as devemos controlar porque temos responsabilidade social. O que aconteceu não foi mais que um ato de frustração em função do contexto de jogo. Não foi direcionado a ninguém", disse o técnico. Miguel Cardoso reconheceu que "não foi um gesto bonito", mas considerou que "as instituições do Boavista e do Rio Ave não se devem sentir tocadas, porque não houve intenção de ofender", embora pedisse "desculpa pela atitude".

Na altura, o Rio Ave alegou ainda que Miguel Cardoso foi ameaçado por elementos do Boavista quando procurava dirigir-se para junto da equipa de reportagem da Sport TV, no relvado, para a habitual entrevista no final do jogo. O Boavista desmentiu: "O Boavista desmente categoricamente as acusações do treinador Miguel Cardoso, que mentiu de uma forma descarada ao falar em agressões que só existiram na sua fértil imaginação. Esta mentira será facilmente desmascarada quando forem conhecidos os relatórios das forças policiais e dos delegados da Liga presentes no local. Esta acusação mirabolante só serve de desculpa para o espetáculo degradante que este agente desportivo protagonizou ao longo de todo o jogo".