Presidente do Boavista suspenso por 90 dias por criticar arbitragem de Hélder Malheiro

Presidente do Boavista suspenso por 90 dias por criticar arbitragem de Hélder Malheiro

Vítor Murta, presidente do Boavista, condenado pelo Conselho de Disciplina (CD) da FPF.

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) sancionou Vítor Murta com 90 dias de suspensão e uma multa de 4210 euros por "ofensas à honra ou consideração de agentes de arbitragem", no caso o árbitro Hélder Malheiro, após a derrota axadrezada frente ao Gil Vicente (2-1), no Bessa, a 5 de fevereiro último.

"Este senhor que hoje pisou o relvado do Bessa não tem qualidade e categoria para entrar no nosso estádio. Sei que vou ser castigado, mas chegou a altura de pôr o dedo na ferida. É uma vergonha o que aconteceu no Bessa. O Gil Vicente não tem culpa, mas está aos olhos de todos que o segundo golo do Gil Vicente é claramente precedido de falta. O VAR viu isso. Chamou o árbitro, que decidiu fazer ouvidos moucos e olhos de cego. O que fez hoje foi roubar o Boavista. Hoje, o Boavista foi roubado e foi maltratado", assinalou, então, o presidente do Boavista, aludindo ao segundo golo do Gil Vicente na partida, muito contestado pelos jogadores e staff boavisteiro.

"A maior exposição que pode ser feita é esta. Toda a gente percebeu o que se passou. Como é que o Angel leva o amarelo da forma que levou? Não vai jogar no próximo jogo. Que exposição podemos fazer? Só se for junto do Ministério Público. Foi um roubo! Vamos queixar-nos a quem? Não podemos falar? Estes senhores são mais que Deus. Fazem o que querem e lhes apetece e nós temos de estar calados", acrescentou, na altura, Vítor Murta.

Recorde o golo do Gil Vicente que motivou as palavras de Vítor Murta: