Álvaro Braga Júnior: "Golo anulado não tem pés nem cabeça"

Álvaro Braga Júnior: "Golo anulado não tem pés nem cabeça"
Ana Luísa Magalhães / Mónica Santos

Tópicos

O presidente da SAD do Boavista mostrou-se incrédulo com a decisão de Luís Godinho

O Marítimo venceu por 1-0 em casa do Boavista, num jogo que terminou em polémica, por culpa de um golo anulado ao boavisteiro Mateus. Álvaro Braga Júnior, presidente da SAD axadrezada, foi à conferência de Imprensa garantir que será "tomada uma posição".

Tomada de posição: "Espero que não tenhamos que marcar dois golos para valer um. Já revi o lance do golo anulado e não tem pés nem cabeça. Não funcionamos na base do grito, mas serenamente iremos tomar uma posição, porque estes lapsos que se vão acumulando e nos prejudicam, tiram-nos pontos. Só para avisar que estamos atentos e que vamos tomar uma posição."

Explicação do árbitro Luís Godinho: "O árbitro disse-me que o nosso jogador número 5 [Talocha] tinha tapado a visão do guarda-redes. No relvado não tenho VAR, mas depois tenho as imagens e que mostram que não há nenhum jogador a tapar a visão do guarda-redes. A bola bate num jogador do Marítimo e sofre um desvio, mas não tem nada a ver com o nosso jogador, que está em fora-de-jogo posicional, mas não tem intervenção, está a dois ou três metros da zona da baliza. A explicação que me foi dada, para mim, não vale."