Fabiano é o "alemão" dos golos dramáticos: da Chapecoense à Libertadores

Fabiano é o "alemão" dos golos dramáticos: da Chapecoense à Libertadores
Ana Luísa Magalhães

Tópicos

Em 2016, Fabiano Leismann apontou o golo que carimbou o título do Palmeiras, o último que o guarda-redes da Chapecoense sofreu antes do desastre aéreo.

O mais recente reforço do Boavista chega à Europa pela primeira vez com um currículo do qual constam momentos curiosos, mas também dramáticos.

Os dois últimos golos apontados por Fabiano Leismann são exemplo maior disso, mas comecemos pela história da sua alcunha: alemão. O lateral-direito é natural de São João do Oeste, cidade de Santa Catarina colonizada por alemães. Estima-se que cerca de 93 por cento da população fale um dialeto compreendido pelos falantes do idioma alemão original. Na terra natal, Fabiano nem fala português.

O "alemão" de 27 anos começou a carreira na Chapecoense e foi contra esta equipa que viveu o momento mais feliz da carreira, para pouco depois ser invadido pela tristeza. Em 2016, emprestado pelo Cruzeiro ao Palmeiras, Fabiano apontou o golo que carimbou o título no Brasileirão. Dias depois, um desastre aéreo vitimou quase todo o plantel da Chapecoense. O guarda-redes e amigo Danilo estava entre as vítimas. "Sempre vai ficar marcado na minha vida, por ter feito o último golo ao Danilo, por termos conversado depois daquele jogo", desabafou Fabiano numa entrevista. Meses mais tarde, numa partida louca a contar para a Copa Libertadores, diante do Peñarol, o lateral deu o triunfo (3-2) ao Palmeiras com um golo aos... 90"+10"!