"É injusto dizer-se que o Bruno Fernandes foi massacrado"

"É injusto dizer-se que o Bruno Fernandes foi massacrado"

Declarações de Lito Vidigal, treinador do Boavista, à SportTV, após o Boavista-Sporting, que terminou com um empate a uma bola

Queria mais do que um ponto, este, hoje conseguido frente ao Sporting?

"Pela qualidade dos nossos jogadores e do nosso jogo, foi uma pena não termos tido uma ponta de felicidade para ganhar. Trabalhámos muito nesse sentido. Foi pena não marcarmos, porque tivemos oportunidades para isso. E pena sofrer um golo por a bola ter ressaltado. Mas há mérito pela luta e inteligência dos jogadores do Boavista. Estamos preparados para jogar em três, quatro sistemas. Jogamos de fomas diferentes, também em função do adversário, sobretudo quando é muito rico taticamente. Por isso, foi pena não termos marcado mais golos".

Considera o resultado Justo?

"Não. Pelo desequilíbrio que há entre os dois clubes quanto ao poderio e à qualidade, não. Agora, nós superámos sempre isso [o poderio adversário] com inteligência querer, solidariedade e espírito coletivo. Seria justo termos ganho."

Jogou com três centrais, qual era a sua ideia?

"Jogamos de várias formas com os mesmos jogadores. Temos que continuar a trabalhar de forma mais permanente. O mais importante era estarmos preparados para o que viesse a acontecer e sermos capazes de alterar a nossa forma de estar em função do adversário".

(Sobre as declarações de Leonel Pontes)

Quero ainda dizer... O Leonel é um excelente treinador. mas é injusto dizer-se que o Bruno Fernandes foi massacrado. Hoje até estreei um jogador que saiu com cãibras por causa da ansiedade de jogar contra um grande. Não gostei de ouvir nada disso. Os meus jogadores não têm maldade, até gostava que tivessem mais, mas são sérios e e muito leais. O Bruno é um craque, um dos melhores, mas é injusto dizer-se isso, que foi massacrado. Dá uma imagem negativa e não é verdadeira".