"Tenho tanto receio em falar de Luís Filipe Vieira como de Ana Gomes"

"Tenho tanto receio em falar de Luís Filipe Vieira como de Ana Gomes"

Carlos César, presidente do PS e ainda líder da bancada parlamentar do mesmo partido, respondeu esta segunda-feira ao teor dos tweets publicados domingo por Ana Gomes, ex-eurodeputada

A ex-deputada do Parlamento Europeu, Ana Gomes, divulgou este domingo, na rede social Twitter, um relatório elaborado pela Comissão Europeia sobre os "riscos de captura e 'lavandaria' por máfias via clubes de futebol", e que refere, entre outros, um esquema russo em Portugal, detetado pela Polícia Judiciária e a Europol, a conhecia Operação Matrioskas.

Ana Gomes refere que na página 235 do relatório, "a Comissão Europeia aponta o uso de 'membros de família, advogados, consultores e contabilistas' em transferências de jogadores de futebol para criar estruturas para branquear e transferir fundos e investimentos mafiosos em negócios legítimos, via contratos de imagem, publicidade e patrocínio". Num segundo tweet, a socialista refere-se a Carlos César, presidente do PS, quando diz: "Para ilustração de César e de todos que fecham olhos: relatório da CE sobre riscos de captura e "lavandaria" por máfias via clubes de futebol".

Ora, um dia depois, foi a vez de Carlos César responder às opiniões de Ana Gomes, tendo-o feito através de uma declaração ao Diário de Notícias. O líder socialista considera que a ex-eurodeputada tem "o hábito de insultar quem não lhe faz a corte", explicando ainda a decisão de responder ao pedido de esclarecimento do Benfica.

Uma resposta a que O JOGO teve acesso e na qual o Partido Socialista demarcou-se das acusações feitas por Ana Gomes, ex-eurodeputada do partido, em relação à transferência de João Félix.

"O que foi necessário neste caso aclarar é que ela podia falar em nome do PS quando era assalariada do aparelho do partido, mas agora não", lê-se no DN.

"No que me toca, neste caso específico, como em qualquer outro, tenho tanto receio em falar de Luís Filipe Vieira [presidente do Benfica] como de Ana Gomes, ou seja, nenhum", disse ainda. "Quanto a corrupção, seja no desporto seja noutras atividades, todos sabemos que ela existe e deve e tem que ser combatida e severamente punida. Importa, todavia, não imputar nem insinuar a prática de tais comportamentos a pessoas ou entidades em relação às quais não tenhamos provas ou não sejamos capazes de assumir as responsabilidades do que dizemos", finalizou Carlos César.