Simão Sabrosa: as novas funções no Benfica e os projetos já em andamento

Simão Sabrosa: as novas funções no Benfica e os projetos já em andamento
Pedro Miguel Azevedo

Tópicos

Simão Sabrosa, novo diretor para as Relações Internacionais do Benfica, falou no programa "Protagonistas", da BTV.

Novas funções no Benfica: "Vou trabalhar para poder elevar ainda mais o nome do Benfica internacionalmente e representá-lo. Passei seis anos no Benfica, joguei em Espanha, na Turquia e vou criar elos de ligação também com esses países. O Luisão já o começou, mas vamos insistir no Benfica Legends, trazer as figuras que são referências do clube e leva-los à formação para partilharem as suas histórias, para os jovens saberem quem são essas referências e ajuda-las a conhecer melhor a grandeza do Benfica."

Aprendizagem no Benfica: "Aprendi muito aqui o que representa o Benfica e é preciso passar para os jovens e para o estrangeiro o que se passa nesta casa. Fui campeão e capitão deste clube, espero passar toda a minha vivência. Aprendi mais nas derrotas do que nas vitórias. A vitória tapa certos erros, nas derrotas aprendemos mais. Tive um treinador, José António Camacho, que nos dizia que quando se ganha é quando temos de treinar mais"

Tempos de capitão: "Quando estamos com jovens, a primeira pergunta que fazem é sobre o que tinha de resolver enquanto capitão. Para poder liderar temos de saber ouvir, não só no futebol, mas em todas as empresas. Eu vivi no Benfica ao mais alto nível e é fácil para mim poder partilhar o que vivi como profissional."

Diretor de Relações Internacionais: "Antes esteve nesta função o Nuno Gomes, depois o Luisão, o Benfica mantém as referências e faz todo o sentido ter jogadores que foram importantes e que possam passar a mística do Benfica e ser uma mais-valia. Estou preparado para este cargo. Inicialmente não tinha este objetivo, mas quando surgiu esta oportunidade aceitei de coração."

Estudo para a função: "Antes, não estudava para jogar e agora tenho de estudar para estar mais bem preparado no futebol. Nem todos os jogadores são limitados, nem todos vão ser fantásticos treinadores, mas todos têm a mesma paixão de quando jogavam."

O que fez antes? "Estava em vários projetos das minhas escolas de futebol e de comentador, também tirei um curso de marketing e gestão desportiva na FPF. Temos de acompanhar o dia a dia."

Elogio a Rui Costa: "É muito importante ter a facilidade de contactar pessoas importantes para o clube. O futebol profissional é com o Rui Costa e está bem entregue."

Algum projeto já em andamento? "Já estamos com alguns nos Estados Unidos e Médio Oriente para começarmos a tratar quando começarmos a poder viajar. Implementação de academias nos Estados Unidos, por exemplo. Quem estiver à frente dessas academias ou escolas vai identificar os atletas mais talentosos. É importante identificar porque não podem vir para a Europa antes dos 18 anos."

Título em 2004/05, com Simão como capitão: "Se calhar foi aí que o Benfica começou a despertar. Temos a noção do quanto foi difícil essa época. O Benfica começou a subir, a ganhar estabilidade e isso faz com que os adeptos hoje em dia não perdoem que o Benfica não esteja um ano ou dois sem ganhar. Quando se habitua a ganhar, é mais difícil não ganhar. O Benfica cresceu tanto em títulos nos últimos anos que tem de ganhar obrigatoriamente. É um grande mérito e êxito no que o Benfica tem feito e conseguido o que conseguiu, sempre a acrescentar e isso ajuda ao crescimento. Hoje não basta uma bola e um relvado."

Condições na Academia: "Os meus filhos ficam surpreendidos quando digo que treinava nos pelados, ainda tenho marcas nas pernas enquanto eles hoje têm condições fantásticas numa academia fantástica."