Rui Gomes da Silva visa Vieira: "Tudo o que nos vão dizendo cheira a mentira"

Rui Gomes da Silva visa Vieira: "Tudo o que nos vão dizendo cheira a mentira"

Candidato à presidência do Benfica também visa o rival FC Porto.

Candidato assumido ao próximo ato eleitoral do Benfica, Rui Gomes da Silva não entende o novo empréstimo obrigacionista anunciado pelos encarnados. "Então, afinal temos ou não temos 'saúde financeira para dar e vender? Dizem que 'estamos sólidos', mas a realidade aponta para outra verdade com este novo empréstimo! A mesma verdade em que tudo o que nos vão dizendo cheira a mentira!", escreveu Gomes da Silva no blogue "Novo geração Benfica".

"E esta nova dívida só poderá encontrar justificação para fazer face a um verão que se aproxima sem receitas garantidas, mesmo com a venda dos nossos melhores jogadores a preços inferiores aos anunciados; 'tapar financiamentos os descobertos bancários existentes'. Os sócios merecem toda a verdade, mas de Luís Filipe Vieira - nos tempos que correm - não podermos esperar senão opacidade!", prosseguiu.

O ex-vice presidente de Vieira contestou ainda a política nas modalidades. "Já não bastavam pactos de não agressão sobre transferências de jogadores com quem fez tudo para nos destruir nos últimos anos. Já não nos chegavam pactos de redução de orçamentos nas modalidades, com o mesmo adversário, que, de imediato, decide precisamente o contrário", assinala, continuando:

"Somos agora confrontados com a notícia de não inscrição das modalidades nas competições europeias (facto tanto mais grave quando sabemos que o Sporting se inscreveu na Liga dos Campeões de basquetebol, o Belenenses na nova EHF de andebol e o Madeira SAD e o Águas Santas terem demonstrado interesse em ficar com o nosso lugar, a Fonte do Bastardo se ter inscrito na Challenge Cup, em voleibol)! Tanto desinvestimento nas modalidades contraria o discurso oficial", argumenta, sem esquecer o FC Porto, a propósito dos insultos e ameaças a Nuno Santos, jogador do Rio Ave, expulso frente ao Benfica, no qual fez parte da formação. "Ninguém ligado ao FC Porto veio lamentar os ataques cobardes feitos à família do jogador", alegou, acrescentando que houve "hipocrisia" dos dragões ao condenarem o ataque ao autocarro do Benfica.