O ataque mais fraco em dez anos... apesar de Jonas

O ataque mais fraco em dez anos... apesar de Jonas
Marco Gonçalves/Pedro Miguel Azevedo

Tópicos

Com 31 golos em 20 jogos este ano, o Benfica não marcava tão pouco desde 2007/08, época na qual tinha 30.

A derrota em Moscovo por 2-0 perante o CSKA vincou as dificuldades do Benfica em fazer golos e deixou a equipa de Rui Vitória agarrada ao mais magro pecúlio ofensivo que se vê desde 2007/08. Ao ficarem em branco, as águias mantiveram os 31 tentos somados até ao momento em 20 jogos oficiais, apenas mais um do que tinham na temporada iniciada por Fernando Santos e terminada por José António Camacho, na qual o Benfica terminou o campeonato em quarto lugar, fora das vagas de acesso à Champions.

Num comparativo das épocas de Rui Vitória ao serviço do Benfica, esta é aquela em que a pontaria dos jogadores está mais desafinada. Na temporada passada, as águias tinham 47 golos (2,35 por jogo) em período homólogo enquanto em 2015/16 os tiros certeiros eram 40 (2 por partida), valores bem acima dos atuais 1,55 golos/jogo.

A escassez relativa de golos para a equipa da Luz passa muito pela desinspiração que têm revelado os seus homens mais adiantados, principalmente Seferovic (seis golos), Jiménez (2) e Gabriel Barbosa (1), que destoam claramente do goleador Jonas (14). O camisola 10 das águias distingue-se não só dos colegas de posição mas de todos os restantes jogadores, o que vem colocar mais ainda à vista a dependência que o Benfica sente em relação a este avançado: sozinho, é responsável por mais de 45 por cento do bolo total de tentos dos encarnados. A contribuir muito particularmente para a míngua ofensiva está Seferovic. Apesar do bom início na Luz, o suíço está há mais de um mês em branco e, nas últimas três partidas, nem do banco saiu. Mas Jiménez, arma secreta nas duas primeiras épocas, está este ano também desinspirado na finalização e não marca há dois meses. Fora do lote de homens de área, o que mais contribuiu com bolas nas redes adversárias foi Salvio, com três golos, todos na I Liga.