Noronha Lopes demarca-se de ação cível contra Vieira: "Distancio-me do rumo escolhido"

Noronha Lopes demarca-se de ação cível contra Vieira: "Distancio-me do rumo escolhido"

Antigo candidato à presidência do Benfica é cunhado de Jorge Mattamouros, que avançou com uma ação cível contra Luís Filipe Vieira.

João Noronha Lopes, candidato à presidência do Benfica nas últimas eleições, demarcou-se esta quinta-feira da ação cível interposta por Jorge Mattamouros, seu cunhado, contra Luís Filipe Vieira, tendo por objetivo a destituição do presidente encarnado por, alegadamente, utilizar dinheiro do clube "em assuntos da esfera pessoal".

"O autor da ação judicial noticiada hoje [quinta-feira] é meu amigo e familiar, mas a minha ligação à referida ação termina aí. Respeito a decisão do autor enquanto benfiquista livre e independente, mas distancio-me sem hesitações do rumo escolhido. Não é esse o caminho que preconizo para resolver os temas do presente e futuro do Benfica. Tal como milhares de outros benfiquistas, defendo que muita coisa deve mudar no clube, e serei sempre um proponente ativo dessa mudança. No entanto, acredito que os problemas devem resolver-se dentro de casa, com a participação ativa dos sócios", assinala Noronha Lopes, mostrando discordância em relação à tomada de posição de Mattamoutos, sócio das águias.

Ainda assim, Noronha Lopes deixa uma alfinetada à Direção encabeçada por Vieira: "Registo a celeridade com que a direção do Sport Lisboa e Benfica reagiu a este tema. Lamento que tal não tenha acontecido durante a última época desportiva em relação a muitos outros temas que justificavam a defesa do superior interesse do clube", rematou, em comunicado.

Leia o comunicado de João Noronha Lopes na íntegra:

"Cumpre esclarecer uma situação surgida nas últimas horas em vários órgãos de comunicação social.

O autor da ação judicial noticiada hoje é meu amigo e familiar, mas a minha ligação à referida ação termina aí. Respeito a decisão do autor enquanto benfiquista livre e independente, mas distancio-me sem hesitações do rumo escolhido.

Não é esse o caminho que preconizo para resolver os temas do presente e futuro do Sport Lisboa e Benfica. Tal como milhares de outros benfiquistas, defendo que muita coisa deve mudar no clube, e serei sempre um proponente ativo dessa mudança. No entanto, acredito que os problemas devem resolver-se dentro de casa, com a participação ativa dos sócios.

Por fim, registo a celeridade com que a direção do Sport Lisboa e Benfica reagiu a este tema. Lamento que tal não tenha acontecido durante a última época desportiva em relação a muitos outros temas que justificavam a defesa do superior interesse do clube."