Movimento Servir o Benfica reage ao pedido negado pela MAG do Benfica

Movimento Servir o Benfica reage ao pedido negado pela MAG do Benfica
Redação

Tópicos

Movimento afirma que foi "evidente" a "violação clara dos estatutos pela Mesa da Assembleia Geral do Benfica".

Depois de a mesa da assembleia-geral do Benfica ter emitido este sábado um comunicado, no qual rejeita a possibilidade de contagem dos votos em papel, conforme foi pedido por um requerimento apresentado por três sócios - Francisco Benitez, João Pinheiro e Nuno Leite - o movimento Servir o Benfica prontamente reagiu também em comunicado.

O movimento que foi encabeçado por Francisco Benítez, que se juntou posteriormente a Noronha Lopes, afirma que tanto "o direito à informação sobre a documentação que regulou o processo eleitoral", como a "contagem dos votos físicos" e a "informação aos sócios sobre o funcionamento do sistema de voto eletrónico" foram negados, sendo "evidente" a "violação clara dos estatutos pela Mesa da Assembleia Geral do Sport Lisboa e Benfica".

"A Mesa da Assembleia Geral do Sport Lisboa e Benfica não se pode declarar incompetente para avaliar um requerimento por não versar sobre uma matéria especificamente expressa nos estatutos, muito menos por respeitar a um processo anterior à sua entrada em funções, numa falácia jurídica gritante que ignora a memória dos Órgãos Sociais e, no limite, os impediria de exercer funções.

Porque resiste o Sport Lisboa e Benfica a clarificar os números de um acto eleitoral em que nem o total de votantes anunciados (38102) corresponde ao somatório de votantes registados por mesa de voto (38245)? (disponível para consulta em https://www.slbenfica.pt/eleicoes2020#acompanhar)

Hoje joga o Benfica. Nada mais importa. Amanhã, como sempre, continuaremos a defender o clube contra quem tão mal o trata.

Desde 1904, nada, nem ninguém, é maior do que o Benfica", pode ainda ler-se.