Luís Filipe Vieira explica o corte de relações com Pinto da Costa

Luís Filipe Vieira explica o corte de relações com Pinto da Costa

O presidente do Benfica diz que houve um momento em que Pinto da Costa traiu a palavra dada num acordo e que, desde aí, deixou de ter uma relação normal com o líder do FC Porto.

Em entrevista à RTP3, Luís Filipe Vieira foi questionado sobre o corte de relações com Pinto da Costa e o líder dos encarnados revelou uma reunião entre os dois, além do presidente do V. Guimarães e do Braga naquela altura, para definir o futuro da presidência da Liga.

O presidente do Benfica diz que chegou a acordo com Pinto da Costa para a escolha do presidente - Luís Duque - e que mais tarde o acordo foi quebrado, quando Pedro Proença assumiu a liderança daquele organismo com o apoio dos dragões, segundo diz Vieira.

"Uma vez houve um encontro entre mim, o Pinto da Costa, o Júlio Mendes [antigo presidente do V. Guimarães], o António Salvador, o Domingos Soares de Oliveira e o Antero Henrique. Nunca ninguém soube que tínhamos reunido. Nessa conversa eu disse ao presidente do FC Porto: 'A resolução da Liga passa por nós os dois. Nem FC Porto, nem Benfica podem ter pessoas nos órgãos sociais da Liga. O presidente escolha quem quiser, mas não pode ser de nenhum dos clubes'. O primeiro nome que ele disse foi o Jorge Neto. Eu disse: 'Presidente, esse é portista. Se for assim acabamos já a conversa, não vale a pena'. Então ele disse para eu escolher e eu sugeri o Luís Duque. Andámos numa paz, uma relação normal entre os dois clubes. Mas um dia, o Pedro Proença despede-se da arbitragem e diz que se vai candidatar a presidente da Liga e que tinha o apoio do FC Porto. Isso passado seis meses [Proença substitui Duque ao fim de nove meses]. A partir daí nunca mais falei com ele, não me interessei", explicou, salientando que mantém uma relação formal com Pinto da Costa, quando assim é necessário, dando o exemplo da reunião que tiveram com António Costa para falar sobre o futebol e a questão da pandemia.

"A pedido do presidente da FPF, face aos problemas com a pandemia, entendemos reunir com o primeiro-ministro e fomos os três presidentes dos grandes e correu tudo bem. Falei normalmente com o Pinto da Costa. Sou uma pessoa de palavra, quando do outro lado não é cumprida, não vale a pena."