Jesus: as mudanças na equipa, as palavras de Otamendi e o clássico com o FC Porto

Jesus: as mudanças na equipa, as palavras de Otamendi e o clássico com o FC Porto

Jorge Jesus tem dois jogos em três dias. Depois da Taça segue para o clássico com o FC Porto.

Jorge Jesus, treinador do Benfica, fez a antevisão ao jogo com o Estrela da Amadora, a disputar-se esta terça feira (21h15), e a contar para os oitavos de final da Taça de Portugal. O técnico abordou o impacto da pandemia no rendimento das equipas, falou do clássico e das alterações que terá de fazer na equipa.

Jogo da Taça e escolha de jogadores em função da proximidade do clássico com o FC Porto

"Havendo jogos de dois em dois ou de três em três dias, claro que as escolhas são sempre condicionadas. Claro que tem peso quando se trata de adversários mais fortes, mas duas competições, taça e campeonato, são as mais importantes e, a partir do momento em que vamos jogar de três em três dias, vai haver muitas modificações, pelo menos no Benfica. Este jogo da taça inicia um ciclo de muitos jogos, por isso vamos mexer em relação ao jogo com o Tondela, mas em relação ao FC Porto não."

Reação às palavras de Otamendi quando disse que é preciso mudar para uma mentalidade ganhadora

"Não sei o que disse o Otamendi, mas, não duvidando, as mentalidades das grandes equipas, como é o caso do Benfica, são mentalidades de campeão. Aqui a pressão e a exigência passa sempre por ganhar, por isso tem de se ter essa mentalidade de campeão e começar a adaptá-la como? Ganhando títulos. Se não se ganhar, tem de se trabalhar para que essa mentalidade seja fator importante nesse registo. Este ano vamos procurar conquistar títulos para ter essa mentalidade de campeão, que só se consegue, ganhando."

Utilização de Cervi e Gabriel já no jogo da Taça

"Tivemos 13, 14 jogadores num mês e meio. Os jogadores que ficam dez dias fora não têm condições normais físicas, nem psicológicas para fazer parte do jogo de amanhã. Todos conhecemos o fenómeno da covid e os especialistas dizem que isto é uma doença, mas é uma doença para quem? Para toda a gente e os jogadores não são seres humanos? Quando acabam dez dias de isolamento também não estão doentes?"

Rotação da equipa e alteração de centrais

"É um setor que estou a pensar mudar, não tem de ser os dois, pode ser só um. O Benfica precisa de trocar de jogadores de dois em dois dias. Tem de pôr outros centrais a jogar para no dia em que precisar ter jogadores eles tenham já tenham sido vistos a jogar e não só em treino, para dar segurança total."

Sobrecarga de jogos para os avançados

"Em determinados jogos, sabemos que estão sobrecarregados em termos físicos. Tendo jogadores de alto nível em que se possa mexer isso é o ideal, embora Waldschmidt tenha características diferentes de Seferovic."

Casos de covid e o foco no encontro com o FC Porto

"As equipas não se juntam, cada uma ocupa espaços diferentes. Os jogadores estão sempre muito focados nesses jogos. É o tipo de jogo em que o treinador não tem de se preocupar com aspetos motivacionais. A pandemia tira o foco é pelo facto de não podermos treinar todos os dias juntos. Estamos todos a aprender. Ninguém está habituado a isto. No Brasil, tive esta experiência, mas na pré-época, o que são coisas diferentes."