Salvio recusa saída do Benfica a pensar na Rússia

Salvio recusa saída do Benfica a pensar na Rússia
Marco Gonçalves

Tópicos

Camisola 18 quer fazer parte das escolhas de Jorge Sampaoli para representar a seleção das pampas no Mundial do próximo verão, algo que diz ser o ponto máximo para um jogador.

Titular no jogo que valeu à Argentina a qualificação para o Mundial"2018, fruto do triunfo por 3-1 sobre o Equador, Salvio já definiu um objetivo claro para o final da época: estar na Rússia. E para isso, o camisola 18 garante que sair da Luz é um cenário completamente afastado do seu pensamento. "Estou feliz na minha equipa e, até ao Mundial, não vai existir qualquer movimento da minha parte no sentido de sair", sublinhou, em entrevista concedida ao programa "El Crack Deportivo", da rádio argentina "Guemes 1050 AM". "Tenho uma expectativa com o Mundial que nem conseguem imaginar. Esperei tanto por este momento... A seleção é o ponto máximo", reforçou, quando confrontado com a possibilidade de mudar de clube na reabertura do mercado de transferências, em janeiro.

No final da última temporada, Salvio tinha apontado o regresso à seleção como uma meta a concretizar em 2017/18, algo a que a chegada de Jorge Sampaoli para selecionador do país das pampas acabou por abrir as portas. Após a convocatória para os particulares com o Brasil e Singapura, em junho, Salvio falhou por lesão os jogos de qualificação com Uruguai e Venezuela, algo que o deixou "triste". Por isso, nem quis arriscar nova ausência, tendo até pedido para sair com o Boavista, fruto de dores no joelho direito, num jogo realizado a 16 de setembro. "Trabalhei muito para estar na seleção. Estou feliz", atirou, sobre a sua inclusão nas contas para os duelos com Peru e Equador.

Como uma criança ao lado de Messi

Salvio não esconde a sua admiração por Messi. Autor dos três golos do triunfo (3-1) sobre o Equador, o craque argentino é uma autêntica referência para o atacante encarnado. De tal forma que, na entrevista concedida via telefone (já estava em Lisboa), não se poupou nas palavras em relação ao compatriota: "É difícil não querer passar-lhe sempre a bola, é o melhor e faz a diferença." "Fizemos o nosso trabalho e Messi fez um jogo perfeito. Nos treinos faz coisas que ninguém faz e ficamos a perguntar-nos como parecem tão fáceis", disse.