Salvio intocável também é Renato Sanches

Salvio intocável também é Renato Sanches
Marco Gonçalves

Tópicos

Contestado pelos adeptos, o extremo é intocável para Rui Vitória. Pela forma como leva a bola para o ataque e se entende com Semedo.

Alvo de cada vez maior contestação dos adeptos encarnados, Salvio continua, porém, a ser imprescindível nas contas de Rui Vitória. Apesar de ser o jogador mais substituído dos encarnados (18 vezes em 25 partidas a titular, ou seja, saiu em 72 por cento dos jogos), o camisola 18 assume-se na perspetiva encarnada como o sucessor de... Renato Sanches na estratégia do campeão nacional. Isto porque, sendo extremo, acaba por conseguir equilibrar a equipa e conduzir rapidamente e com qualidade a bola para a área contrária. Segundo O JOGO apurou, Rui Vitória vê o extremo argentino como um segundo oito em determinados momentos do jogo, um elemento que transporta o jogo com qualidade, algo que considera imprescindível nas suas equipas.

"Sendo um extremo, tem muito de médio, porque ao contrário do que sucede habitualmente com os jogadores daquela posição, tem grande cultura tática. É dos que melhor entendem o jogo", explica o técnico Carlos Azenha a O JOGO sobre a aposta de Rui Vitória no internacional argentino, reforçando: "O Renato Sanches por vezes descompensava a equipa, mas é verdade que criava também desequilíbrios com a sua forma de jogar. E nesse aspeto, o Salvio é aquele que, como o Renato Sanches, tem maior iniciativa de ir para a frente."

Com uma média de 70 minutos por jogo na Liga e apenas sete partidas completas - Hurtado, do V. Guimarães, é o mais substituído (22 vezes), mas aquele com maior percentagem de desafios incompletos é Alan Ruiz, do Sporting, tendo sido substituído em 84,2 por cento das vezes (16 em 19) -, Salvio é, para Carlos Azenha, "muito importante na equipa". "É já bastante experiente e tem muitos anos de Benfica, é uma referência da equipa. Além disso, é muito forte defensivamente, mais do que os outros extremos, e a atacar dá profundidade, pois procura muito a linha", aponta o antigo técnico do V. Setúbal ou Portimonense, referindo outro fator que considera fundamental: "É aquele que melhor se entende com o Nélson Semedo. Para o lateral, torna-se mais fácil jogar com ele do que com outro colega. Até porque além das combinações, o Salvio abre muitas vezes espaço para as subidas do defesa."

E sobre os assobios dos adeptos ao camisola 18, atira: "O Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo e é assobiado no Real Madrid. Os adeptos não percebem todas as dinâmicas de uma equipa e têm memória curta."