Rui Vitória revela: "Rúben Dias e Jardel vão manter-se no onze"

Rui Vitória revela: "Rúben Dias e Jardel vão manter-se no onze"
Marco Gonçalves/Paulo Nunes Teixeira

Para o treinador das águias não há dúvidas, face à qualidade da dupla que alinhou em mais jogos na época passada. Lema e Conti vão ter de aguardar até conquistarem espaço.

Numa iniciativa pouco vista, no dia seguinte ao primeiro encontro de pré-época, vencido pelas águias, o Benfica solicitou uma questão aos três jornais desportivos e ao sítio Maisfutebol sobre tática e Rui Vitória assumiu que não haverá alterações no eixo defensivo. Pese a contratação de Conti e Lema, Jardel e Rúben Dias continuam no topo das preferências. "A dupla que acabou por jogar mais vezes no ano passado foi de enorme qualidade e vai manter-se. Rúben e Jardel são uma dupla de inegável qualidade e, se calhar, aqui não teríamos necessidade de termos um central melhor do que os que temos, porque são dois centrais de enorme categoria", respondeu, justificando as contratações da dupla argentina. "O que queremos é jogadores que façam um grupo de centrais forte e preparado para as várias competições e incidências, como eventuais lesões, castigos e densidade competitiva", disse Vitória, que considera Conti e Lema "versáteis". "Temos centrais que podem estar mais rotinados de um lado ou de outro, mas no ano passado, o Rúben jogou à direita e à esquerda com a mesma eficiência e os que vêm também podem trocar com a mesma naturalidade. Encaixam no que queremos. O propósito de Conti ou Lema não é tirar um dos centrais que temos. Os que estão a chegar vão ter de adaptar-se, ganhar o seu espaço e isso serve tanto para os centrais, como para os outros", referiu.

Nesta fase, haverá testes em 4x3x3 e 4x4x2, "duas disposições táticas" para utilizar quando o técnico entender. "A equipa tem de ser dominadora e quer sê-lo quer num quer noutro sistema", sublinhou, ciente do que pretende. "No ano passado, o 4x3x3, deu-nos segurança, circulação, posse de bola e controlo do adversário. O que procuramos é saber como ser organizados a defender, como equipa compacta e coesa, com grande velocidade defensiva", disse, acrescentando: "Ao atacar, temos de perceber que temos de atrair os adversários para determinados espaços para atacar por outro corredor, saber o que fazer na perda de bola e ser uma equipa muito rápida a tentar ganhar a bola. Aí, se há possibilidade de atacar, atacamos, se não houver, circulamos e procuramos um ataque mais organizado."